angle-left “Bailinho de carnaval” promove interação entre crianças autistas e seus pais no NAMI

Sex, 21 Fevereiro 2020 15:50

“Bailinho de carnaval” promove interação entre crianças autistas e seus pais no NAMI

Iniciativa é promovida pelo setor de Reabilitação e Terapia Ocupacional.


Crianças no bailinho de carnaval do Núcleo Atenção Médica Integrada (NAMI) da Unifor (Foto: Profa. Lilia Campos)
Crianças no bailinho de carnaval do Núcleo Atenção Médica Integrada (NAMI) da Unifor (Foto: Profa. Lilia Campos)

O Projeto de Inclusão Socioeducacional (PROISE) do Setor de Reabilitação e Terapia Ocupacional do Núcleo Atenção Médica Integrada da Unifor (NAMI) realizou, nos dias 19 e 20 de fevereiro de 2020, “bailinho” de carnaval para crianças com o transtorno do espectro do autismo (TEA) que recebem terapia no setor.

A iniciativa visa promover integração entre as crianças seus pais. Na ocasião, as profissionais responsáveis observam a convivência familiar para posteriormente repassar orientações aos pais, visto que o tratamento no setor é feito tanto com as crianças quanto com os pais.

Segundo o relatório do Centro do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CD), dos Estados Unidos, o diagnóstico de crianças que fazem parte do transtorno do espectro autista (TEA) chega a 1 caso para cada 59 crianças (estimativas de 2014, divulgadas em 2018).

Sobre o PROISE

O subsetor do Setor de Reabilitação e Terapia Ocupacional recebe crianças com autismo entre dois anos e meio e seis anos. Os pacientes são acompanhados semanalmente por profissionais da Psicologia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. 

Durante o tratamento, são desenvolvidas atividades importantes relacionadas ao período de de vida da criança, tais como autonomia, motricidade, desenvolvimento de emoções e oralidade.

Para Lília Campos, psicóloga e terapeuta cognitivo comportamental, o tratamento da criança com autismo na primeira infância é “100% importante. Se a criança não tem o mínimo de estímulo, ela ficará o dia inteiro em uma cama, encurvada e assistindo televisão. Ela não terá vida, terá sobrevida”, ressalta.  

Para ter acesso ao serviço do setor, os pais interessados devem possuir em mãos encaminhamento específico para tratamento por psicólogo, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional, que pode ser obtido em posto de saúde.

Já com o encaminhamento no setor, os pacientes entram na fila de espera e podem aguardar uma vaga para iniciarem o tratamento, com duração até os seis anos.

Serviço

Setor de Reabilitação e Terapia Ocupacional do NAMI
Local: 3º andar do NAMI (R. Des. Floriano Benevides Magalhães, 221 - Edson Queiroz)
Horário de atendimento: 8h às 11h e 13h às 17h
Mais informações: (85) 3477-3657