angle-left Curso de Engenharia Ambiental incentiva formação multidisciplinar

Ter, 4 Dezembro 2018 14:02

Curso de Engenharia Ambiental incentiva formação multidisciplinar

Carreira em Engenharia Ambiental fomenta novos campos profissionais em adequação às legislações ambientais


Oyrton Monteiro Júnior, coordenador do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Unifor. Foto: Ares Soares.
Oyrton Monteiro Júnior, coordenador do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Unifor. Foto: Ares Soares.

Com as grandes mudanças climáticas e falta de conservação e recuperação do meio ambiente, o papel do engenheiro ambiental e sanitário tem se tornado cada vez mais fundamental, uma vez que também faz parte das suas atribuições fiscalizar e monitorar empresas. No atual cenário vemos a criação de novos empregos para os profissionais da área, o que culmina também em cursos cada vez mais atentos às urgências do mercado.

“Os estados estão fortalecendo e os municípios estão tendo a necessidade de criar sua Secretaria do Meio Ambiente para licenciar, monitorar e fiscalizar empreendimentos locais”, é o que afirma Oyrton Monteiro Júnior, coordenador do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Unifor

Nota máxima em Conceito de Curso (5) atribuída pelo Ministério da Educação (MEC), a graduação da Unifor oferece formação científica e tecnológica, ao desenvolver a cultura investigativa em uma abordagem multidisciplinar, integrada e sistêmica de todas as questões ambientais. A matriz curricular contempla formação completa, desde as disciplinas básicas de engenharia à química e biologia, a fim de permitir a melhor compreensão da complexidade que é o meio ambiente. 

As disciplinas do núcleo de formação básica se alternam com as de formação profissionalizante e específica. Isso possibilita a flexibilização e a interdisciplinaridade do currículo e a formação de jovens profissionais preparados para atuar nos competitivos mercados local, nacional e global.

Como graduado da Unifor, o aluno vai estar capacitado para atuar na promoção do desenvolvimento econômico sustentável, ao ter um perfil profissional que é cada vez mais demandado pelo mercado, seja no setor público ou privado. Além disso, poderá coordenar e supervisionar equipes de trabalho, realizar pesquisa científica e tecnológica e estudos de viabilidade técnico-econômica. Outras capacidades desenvolvidas são as de projetar, executar e fiscalizar obras e serviços técnicos, efetuar vistorias, perícias, avaliações e auditorias, emitir laudos e pareceres.

Confira a seguir entrevista com o professor Oyrton Monteiro Júnior, coordenador do curso:

Como está o mercado de trabalho para o profissional de Engenharia Ambiental e Sanitária? Está crescente, em expansão, em alta? Por quê?

Sim, tanto para os profissionais, quanto para os estudantes. Em 2013, havia cerca de 8 alunos estagiando, hoje temos 35 alunos no campo de estágio. O mercado de trabalho vem mostrando crescente absorção dos Engenheiros Ambientais e Sanitaristas, principalmente, devido a necessidades dos municípios, das cidades e das empresas se adequarem às novas legislações ambientais.

Quais são as áreas de atuação em que há mais contratações de recém-formados? E para quem já tem experiência? Por quê?

Os recém-formados que possuem habilidades  de empreendedorismo montam suas empresas de consultoria e os que são assimilados pelo mercado atuam principalmente nas áreas de saneamento, resíduos sólidos, georreferenciamento, parques eólicos e na área de segurança do trabalho.

Onde estão as melhores oportunidades? Por quê?

Atualmente as melhores oportunidades do mercado encontram-se nas grandes empresas que estão sendo instaladas no Complexo Industrial do Pecém, nos municípios que estão formando seu quadro técnico para licenciamento e fiscalização, nos órgãos fiscalizadores ambientais, nas empresas de consultorias e natureza social, no Distrito Industrial de Maracanaú, e mais recentemente no Polo Industrial Químico de Guaiúba e no Polo Farmacoquímico do Eusébio.

Quais são as tendências e perspectivas futuras para essa profissão?

Os estados estão fortalecendo e os municípios estão tendo a necessidade de criar sua Secretaria do Meio Ambiente para licenciar, monitorar e fiscalizar empreendimentos locais. Hoje a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) já apresenta maior estrutura de fiscalização em alguns setores do saneamento, cobrança do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos (PGRS) para todas as empresas que geram acima de 100 L/dia, tratamento adequado dos efluentes industriais e condomínios.

Surgiram novas áreas de atuação?

Sim, com o agravamento da crise ambiental e urbanização da população mundial, as novas áreas de atuação encontra-se no planejamento e gestão de cidades inteligentes e sustentáveis, que apresentam eficiência das operações de serviços de mobilidade, energia, água e qualidade de vida, atendendo as necessidades das gerações atuais e futuras nos aspectos econômico, social e ambiental.

No caso do curso, há novidades no currículo? Tem trabalho de conclusão de curso e estágios obrigatórios? Se sim, como funcionam esses estágios?

O currículo do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Unifor inova quando procura desenvolver os conteúdos e habilidades com aplicação focada no mercado de trabalho e na solução de problemas práticos e reais. O TCC no curso de Engenharia Ambiental, por exemplo, é desenvolvido no período de um ano, voltado para a solução de problemas ambientais e empresariais.