angle-left Estudantes de Odontologia arrecadam mais de 5 toneladas de alimentos em Olimpíada promovida pelo curso

Sex, 25 Outubro 2019 13:52

Estudantes de Odontologia arrecadam mais de 5 toneladas de alimentos em Olimpíada promovida pelo curso

A ação incentivou os alunos a desenvolverem espírito de liderança, trabalho em equipe e empatia com o próximo


Foram arrecadados 5 toneladas de alimentos não perecíveis para instituições e 60 pessoas fizeram doação de sangue. Foto: Ares Soares.
Foram arrecadados 5 toneladas de alimentos não perecíveis para instituições e 60 pessoas fizeram doação de sangue. Foto: Ares Soares.

Ao final da Olimpíada promovida pelo curso de Odontologia da Universidade de Fortaleza, foram arrecadados 5 toneladas de alimentos não perecíveis para instituições e 60 pessoas fizeram doação de sangue. A ação idealizada e executada pelos professores, em conjunto com os estudantes, de forma voluntária, mobilizou diversos setores da Universidade em prol de um ato beneficente. 

A iniciativa foi divida em três ramificações: atividades lúdicas; desafios técnicos científicos e competições esportivas, disputadas e pontuadas, entre as turmas das disciplinas de Clínica Integrada II (Diurna e Noturna), Clínica Integrada III (Diurna) e Clínica Integrada IV (Diurna). 

A Olimpíada da Odontologia surgiu com o intuito de contribuir com o processo de aprendizado dos alunos, melhorar as relações dentro de sala de aula e incentivar o espírito de liderança, disciplina, responsabilidade, trabalho em equipe e empatia com o próximo, que fazem parte das DCNs do curso. 

Para a professora e responsável pela ação, Júlia Rosas as expectativas foram superadas positivamente em todos âmbitos que a atividade atingiu, e o intuito a partir de agora é expandir e aperfeiçoar a iniciativa, a partir da vivência dos estudantes.“Eles nos surpreenderam, tanto com o engajamento nas doações, que foi muito além do que tínhamos solicitado, quanto da turma entre si. Pois agora, eles estão se enxergando como um grupo, deixaram de pensar em pena em si, na sua nota”, comemora a professora. 

As relações dentro do ambiente de estudo foram completamente modificadas, entre os alunos, que agora se reconhecem como colegas, e entre os professores e alunos, que se tornaram peça fundamental. O professor Sérgio Luiz sentiu os resultados da ação desde o começo da olimpíada e ressalta. “Para mim, o mais satisfatório foi o processo todo, não só o resultado final, mas ver a aproximação entre os alunos e professores, o nosso envolvimento e torcida, foi muito legal. E além disso, ver os conteúdos deficientes serem compreendidos a partir das atividades lúdicas”, afirma. Com isso, essa aproximação permitiu a abertura de um novo espaço de debate, confraternização e aprendizado técnico e extra-técnico. 

Para Carolina Braga, aluna do 9º semestre e participante da turma de Clínica Integrada III (Diurna), que foi vencedora da competição, o sentimento de fraternidade e empatia é reafirmado após a olimpíada. “Estou muito feliz com a experiência, não só por ser da turma que venceu, mas por vivenciar a união da minha turma. Sem dúvidas foi a melhor experiência que poderíamos ter”, ressalta.