angle-left Exposição da Fundação Edson Queiroz é aberta ao público em Roma

Seg, 5 Março 2018 17:52

Exposição da Fundação Edson Queiroz é aberta ao público em Roma

Antonio Patriota, embaixador do Brasil em Roma, prestigia lançamento da exposição com convidados ilustres (Foto: Josué de Lyrio)
Antonio Patriota, embaixador do Brasil em Roma, prestigia lançamento da exposição com convidados ilustres (Foto: Josué de Lyrio)

Um passeio pela evolução da arte moderna brasileira por meio de mais de 70 obras de artistas do Brasil ou radicados no país. É o que proporciona a exposição “Arte Moderna in Brasile” ( Arte Moderna no Brasil), da Coleção da Fundação Edson Queiroz, lançada no dia 1º de março, no Palácio Pamphili, sede da Embaixada do Brasil em Roma. Até 5 de maio de 2018, italianos e turistas poderão conferir gratuitamente obras importantes do Modernismo brasileiro.

As mais de 70 obras foram divididas em três salas de acordo com os estilos desenvolvidos sobretudo entre os anos de 1920 e 1960, passando pela arte figurativa, pela abstração, até chegar ao abstrato informal. 

Na primeira sala, que retrata os primeiros anos do Modernismo no Brasil, o visitante pode ver, por exemplo, todo o expressionismo da obra “Duas amigas”, de Lasar Segall, artista que nasceu na Lituânia, viveu na Alemanha e, depois, foi naturalizado brasileiro.

A mostra também exibe o talento do cearense Sérvulo Esmeraldo, considerado pioneiro na arte cinética, que permite que a obra ganhe movimento a partir da energia de quem a toca. A italiana Alessandra Giovannetti, que esteve presente na abertura da exposição, ficou admirada com o que viu. “Estou achando muito interessante conhecer a cultura e a arte brasileiras, que, até então, eu não conhecia muito”, explicou a jovem que trabalha como gerente de redes sociais em Roma.

Segundo a curadora da exposição, Regina Teixeira de Barros, os visitantes vão poder conhecer as duas principais contribuições do Modernismo para a arte brasileira: o primeiro foi trazer uma atualização para os artistas, já que a grande maioria deles ainda era muito ligada à academia e as influências greco-romanas. Depois, o Modernismo levou os artistas a retratarem mais o Brasil em suas obras. “Muitos passaram a investigar a ideia de Brasil, de brasilidade, então, vão propor imagens que revelem o país. Eles vão justamente perguntar: o que é o Brasil? O que é ser brasileiro? Di Cavalcante e Portinari são grandes exemplos disso”, explica a curadora.

O embaixador do Brasil em Roma, Antonio Patriota, falou sobre a importância de trazer a exposição para a Itália: “Essa exposição é uma belíssima apresentação do que há de melhor no século XX, com uma variedade grande de estilos com artistas como Anita Malfati, Di Cavalcante, Hélio Oitica. Sou muito grato à Fundação Edson Queiroz porque realmente é um presente que ela dá à Embaixada do Brasil em Roma e ao público que terá a possibilidade de apreciar e admirar uma coleção única”, ressaltou.

Várias autoridades participaram da abertura da exposição, entre elas, o cônsul honorário do Brasil na França, Emmanuel Guillemett, que falou sobre a importância da exposição: “É uma grande oportunidade de divulgar a arte brasileira na Europa. Eu espero que seja um sucesso porque essa é uma coleção ímpar no Brasil”, ressaltou. A esposa dele, Leda Roqueirol, que já foi professora da Universidade de Fortaleza, disse que eles saíram da França para prestigiar a abertura da exposição em Roma. “É motivo de orgulho ver a Fundação Edson Queiroz internacionalizar a cultura, a arte e todo o acervo que tem”, afirmou.

Todas as obras expostas em Roma são da Fundação Edson Queiroz, que nos últimos 30 anos vem construindo uma das mais significativas coleções de arte do Brasil, com obras que vão desde o período Colonial até a Arte Contemporânea, retratando cerca de 400 anos de produção artística. Além de Fortaleza, essa mesma exposição já esteve em São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro.

Ano passado, ficou quase quatro meses no Museu Coleção Berardo, em Lisboa, antes de chegar à capital italiana. Durante a abertura da mostra em Roma, Renata Queiroz Jereissati, do Conselho Curador da Fundação Edson Queiroz, lembrou que essa exposição era o sonho do irmão, o chanceler Airton Queiroz: “Esse era o desejo do meu irmão e ele foi embora sabendo que a exposição ia sair do Ceará e viria pra Europa, o que o deixou muito feliz. É importante que o que a gente tem de precioso e de bonito seja partilhado, é motivo de orgulho poder mostrar essa paixão grande que ele tinha e poder partilhar com outras pessoas para que elas aprendam também da cultura do Brasil e do Ceará, dos nossos artistas”, frisou.

Serviço

Exposição: “Arte Moderna in Brasile da Fundação Edson Queiroz"
Período: 2 de março a 5 de maio de 2018
Horário de visitação: terça a sábado, das 10h às 18h
Local: Embaixada do Brasil em Roma
Endereço: Palazzo Pamphilj, Piazza Navona 14, 00186- Roma, Itália