angle-left Grupo de Terapia Ocupacional proporciona integração entre crianças

Sex, 1 Novembro 2019 14:47

Grupo de Terapia Ocupacional proporciona integração entre crianças

O evento faz alusão ao dia das crianças e incentiva a troca de experiências entre pacientes e família


O evento ocorreu nos períodos manhã e tarde, com turmas alternadas dos pacientes acompanhados. Foto: Ares Soares.
O evento ocorreu nos períodos manhã e tarde, com turmas alternadas dos pacientes acompanhados. Foto: Ares Soares.

O setor de Terapia Ocupacional do Núcleo de Atenção Médica Integrada (NAMI), promoveu, nesta quarta-feira (30) um momento de lazer para as crianças que apresentam sintomas relacionados ao autismo, paralisia cerebral ou dificuldades motoras.

O evento, ocorreu nos períodos manhã e tarde, com turmas alternadas dos pacientes acompanhados. A psicóloga Lília Campos, pertencente ao grupo organizador, ressalta que o momento objetiva acentuar a integração e troca de experiências. “Nosso grupo aborda vários setores, cuidamos da área neuropsicomotora, estimulação precoce e tratamento exclusivo para crianças que apresentam sintomas do autismo. Hoje, propusemos um momento diferente, para que os pais possam interagir e experimentar uma maior descontração”, comenta Campos.

Entre as atividades oferecidas, foi proporcionado um picnic para os participantes, além da participação do Grupo Mirante de Teatro da Universidade de Fortaleza. Monera Sampaio, psicóloga também participante dos programas de reabilitação de terapia ocupacional, destaca a importância do contato lúdico das crianças com a arte. “O Grupo Mirante possui um projeto em que contam histórias relacionadas às obras de arte originais do Espaço Cultural da Universidade. Durante a manhã, o ator Ivan Lourinho foi o responsável por contar sobre Raimundo Cela. Já durante a tarde, o ator Eurico Mayer, conta história Azul de Bandeira“, explica a psicóloga.

O setor de Terapia Ocupacional localizado no NAMI é conduzido por equipes multidisciplinares, coordenado pela terapeuta ocupacional Leiliane Soares. Nas equipes, participam psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. 

A psicóloga Lília, enfatiza ainda que o momento estimula diretamente a concentração das crianças que apresentam sintomas do autismo. “Vejo este momento como muito enriquecedor. As crianças estão focadas na programação, estão vivendo um momento  diferenciado, que foge da rotina de atendimentos e horários marcados. Aqui, eles possuem a noção em se sentirem livres para brincar e se expressar”, completa. 

Samara Barbosa, fonoaudióloga e também integrante do grupo, explana a interação dos pais como aspecto positivo. “Os atendimentos acontecem duas vezes por semana. Os pais presentes em nosso evento, não interagem entre si na rotina de consultas, pois aqui estão reunidos todas as turmas dos nosso programas. Portanto, neste momento os proporciona uma troca de ideias e vivências sobre o dia a dia das crianças”, destaca.