Espaço Cultural Unifor Museu

Esculturas e pinturas do Espaço Cultural Unifor estão em destaque.

"Santos-Dumont – Coleção Brasiliana Itaú"

Nos livros escolares, ele é um herói nacional. Inventor do aparelho aéreo mais pesado que o ar, primeiro a alçar voo sem a necessidade de rampa para lançamento. Nas “fotos oficiais”, um homem sisudo, de colarinho alto e chapéu panamá amassado.

Mas Alberto Santos-Dumont foi muito mais que isso. Um bon vivant risonho, que conviveu com nobres, artistas e grandes inventores. Um inventor determinado, que inovou em áreas além da aviação. Um homem melancólico e com destino trágico, profundamente desapontado com os usos bélicos de seu maior invento.

Estes e outros aspectos da personalidade de Alberto Santos-Dumont, praticamente esquecidos pela repercussão do aeroplano 14 Bis – cujo primeiro voo acaba de completar 110 anos – serão exibidos ao público cearense na Mostra Santos-Dumont – Coleção Brasiliana Itaú. A exposição fica em cartaz até 9 de dezembro de 2018, no Espaço Cultural Unifor, localizado no prédio da Reitoria da Universidade de Fortaleza.

“Orgulhosamente, um brasileiro concretizou o sonho de milhões de pessoas pelo mundo. Não do modo poético, com asas de Ícaro, mas por meio de modelos que envolvem muito mais engenharia. E foi com a mente nas nuvens e as mãos firmes na terra que Santos-Dumont projetou, construiu e fez voar o primeiro avião do mundo”, destaca Lenise Queiroz Rocha, presidente da Fundação Edson Queiroz.

Com mais de 500 peças, a curadoria é da jornalista Luciana Garbin e do Itaú Cultural. A linha curatorial se sustenta em pilares que marcam a trajetória do inventor, como inovação, ciência e empreendedorismo. Um dos destaques da mostra é a réplica, em tamanho original, da aeronave Demoiselle, considerada sua obra-prima. 

“A mostra sobre Santos-Dumont identifica-se profundamente com a Universidade de Fortaleza não só pelo aspecto cultural, mas sobretudo em vista da trajetória desse grande inventor brasileiro, pautada pela ciência, inovação e empreendedorismo, pilares que também fazem parte da atuação da Unifor. Esperamos que o público visitante, em especial crianças, adolescentes e nossa comunidade acadêmica, inspire-se nos ideais e realizações de Santos-Dumont, cujo legado permanece em nossa sociedade até hoje”, afirma o prof. Randal Pompeu, vice-reitor de Extensão da Unifor.

Como ocorre em toda abertura de exposição da Unifor, a curadora fará uma palestra no Teatro Celina Queiroz, no dia 3 de agosto, 9h30, no Teatro Celina Queiroz. Direcionada para todos os públicos, a apresentação se estende sobre a mostra, detalhando os espaços, a cronologia e a escolha dos arquivos, documentos, objetos e fotos. A exposição foi apresentada em São Paulo, em 2016, e em Cuiabá, no ano passado, antes de chegar a Fortaleza.

Perfil múltiplo

Além de “pai da aviação”, Santos-Dumont foi esportista, designer e um criador de tendências no modo de vestir e usar o chapéu, uma de suas marcas registradas. Também serão expostas criações até hoje pouco conhecidas do público, como o Conversor Marciano, que servia para ajudar esquiadores a subir as montanhas nevadas. O nome vem de sua ideia de reproduzir a gravidade de Marte e reduzir o peso.

São de sua invenção ainda um dispositivo de tração para o coelhinho que serve de chamariz em corridas de galgos – raça de cães considerada a mais rápida do mundo. E o Canhão Paradoxal, uma espécie de catapulta para lançar boias salva-vidas para banhistas que estivessem em perigo no mar. Entre as fotos exibidas, duas são do criador testando o Canhão Paradoxal em uma praia. 

Muitas dessas imagens eram transformadas em cartões-postais, um dos modismos da época, ao qual o próprio Dumont aderiu com fervor e cuja coleção será apresentada. Entre eles, o visitante pode ver uma série de cartões carinhosos e saudosos enviados para uma moradora de Fortaleza, Hersilia Burlamaqui Freire, moradora da Rua Formosa, 59, por um admirador, identificado como Heitor.
 

A exposição 

Entrando no espaço expositivo, o público encontra documentos, objetos e imagens conservadas por ele próprio e herdadas por membros de sua família, organizados na curadoria compartilhada de Luciana, em parceria com os núcleos Itaú Cultural de Inovação, Acervo e Enciclopédia, Artes Visuais, Produção e Centro de Memória, Documentação e Referência (CMDR). 

Além de peças originais e pessoais, a exposição resgata fotografias históricas. São registros de voos dos balões e aeroplanos, retratos pessoais tirados pelos maiores fotógrafos do mundo ou publicadas nas tiragens originais guardadas no arquivo pessoal do homenageado. Alguns objetos pessoais completam o acervo, como um binóculo, uma luneta e outros instrumentos científicos usados por Santos-Dumont. 

Há também um grande número de cartas, documentos pessoais, correspondências, patentes originais de alguns inventos, publicações da época, livros de sua biblioteca pessoal ou de sua autoria, oferecidos com dedicatória. Entre os documentos, encontram-se telegramas da princesa Isabel, felicitando a mãe de Santos-Dumont pelos feitos do filho, e uma carta escrita por ele a um parente sobre um telegrama que recebeu de Alberto, rei da Bélgica. 

A mostra apresenta, ainda, um desenho feito pelo inventor um mês e cinco dias antes de seu suicídio. O sobrinho Jorge Dumont Villares escreveu que foi o último e anotou a data de 18 de junho de 1932. É importante porque mostra que ele seguia preocupado com a mecânica poucas semanas antes de sua morte, em um hotel no Guarujá.

Acessibilidade

Uma das preocupações da mostra é garantir o acesso pleno a pessoas com necessidades especiais. Ao entrar, o visitante encontra uma porta de hangar, onde faz o check-in, responde a três perguntas sobre seus conhecimentos a respeito de Santos-Dumont e recebe uma espécie de cartão de embarque, com uma gravura extraída de um antigo jornal com o retrato dele. O “passageiro” pode levar o bilhete para casa, que também tem impressão em braile.

Tablets, adaptados tanto para videntes quanto para cegos, disponibilizam capas de jornais e reportagens nacionais e estrangeiras, da própria coleção de Dumont para que o visitante possa folheá-los eletronicamente. O material impresso, como livros e documentos, ficará também disponível em braile. Um funcionário com deficiência visual orienta o público e auxilia os leitores. Ainda sobre os recursos de acessibilidade, todos os audiovisuais possuem tradução simultânea em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Serviço

Mostra Santos-Dumont – Coleção Brasiliana Itaú
Com exibição em tamanho natural da aeronave Demoiselle
Abertura: 2 de agosto de 2018, às 19h
Visitação: 3 de agosto a 9 de dezembro de 2018
Aberto de terça a sexta-feira, de 9h às 19h e aos sábados e domingos, de 10h às 18h
Local: Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza, CE)
Acesso gratuito

Palestra da curadora Luciana Garbin
3 de agosto (sexta-feira), às 9h30 
Local: Teatro Celina Queiroz 

Mais informações: (85) 3477.3319 | espacocultural@unifor.br