null Curso de Finanças da Unifor lança Boletim de Mercado de Capitais: confira o comportamento dos principais índices e ativos

Qua, 5 Janeiro 2022 09:44

Curso de Finanças da Unifor lança Boletim de Mercado de Capitais: confira o comportamento dos principais índices e ativos

Só a energia elétrica já acumula alta de 25% no ano (Getty Images)
Só a energia elétrica já acumula alta de 25% no ano (Getty Images)

O Boletim de Mercado de Capitais, elaborado pelo curso de Finanças da Universidade de Fortaleza, tem como propósito trazer informações da seara financeira e análises dos principais fatos do mundo dos investimentos, em escala global, nacional, e especialmente do mercado financeiro cearense.

Mercado de Capitais Internacional

Para o período acumulado de 12 meses, terminado em novembro último, a inflação foi de 6,8% nos Estados Unidos, o que não era vivenciado um nível inflacionário tão elevado nos últimos 39 anos. O setor energético americano sofreu problemas de abastecimentos ligados a pandemia do COVID-19, causando drástico aumento de preços e sendo um dos principais destaques na escalada inflacionária no País. O preço da gasolina foi o principal destaque no aumento dos preços, com 58,01% de aumento no acumulado em 12 meses.

Duramente 2021 o governo americano e o Fed sustentaram a postura expansionista na política monetária do país, pois acreditavam que a inflação seria transitória e não seria necessário o aumento da taxa básica de juros. Contudo, recentes declarações de Jerome Powell, presidente do Fed, mostram que houve mudança de ideias em relação a inflação dos EUA, e com isso, existe grande possibilidade de diminuição dos estímulos monetários e aumento da taxa básica de juros americana.

Tabela 1 - Comportamento dos principais índices e ativos pelo mundo (Dezembro/2021)

Índice / Ativo

País / Mercado

Variação (%)

Mês

Ano

12 meses

DJI

EUA

5,4

18,7

18,7

S&P 500

EUA

4,4

26,9

26,9

Nasdaq 100

EUA

0,7

21,4

21,4

Dólar

Forex

-1,0

7,3

7,3

Bitcoin

Investing.com

-18,8

59,7

59,7

Fonte: Valor Data; Investing.com



 

Mercado de Capitais Nacional

Seguindo a tendência inflacionária mundial, o Brasil também sofre com o contínuo aumento de preços. Só a energia elétrica já acumula alta de 25% no ano, enquanto a gasolina, mais de 70%. O Brasil está posicionado entre as economias com inflação mais alta no último ano, atrás apenas de Argentina (52,5%) e Turquia (19,89%).

Na tentativa de ancorar as expectativas inflacionárias dos próximos anos, o Copom anunciou ao longo de 2021 sucessivos aumentos da taxa básica de juros brasileira, partindo de 2% em janeiro e alcançando 9,25% na última reunião do ano, em dezembro. Os impactos dessa escalada refletiram negativamente na B3 que teve queda de 12% no período, pressionando ainda mais o dólar que iniciou o ano cotado em R$ 5,19 e terminou em R$ 5,57.

Tabela 2 - Comportamento dos índices no Brasil (Dezembro/2021)

Índice

Mês

Variação (%)

Ano

12 meses

IBOV

2,9

-12,0

-12,0

IFIX

8,8

-2,3

-2,3

IEE

0,6

-7,9

-7,9

SMLL

3,8

-16,2

-16,2

ISE

1,7

-11,6

-11,6

Fonte: Valor Data; Investing.com




 


Tabela 3 – Melhor desempenho (Dezembro/2021)

Ação

Ticker

Variação

Preço

Braskem

BRKM5

30,11

57,63

Embraer

BRKM5

29,68

24,82

Minerva

BEEF3

23,54

10,60

Sabesp

SBSP3

19,30

40,18

JHSF

JHSF3

18,72

5,58

Fonte: Infomoney.com


Tabela 4 – Pior desempenho (Dezembro/2021)

Ação

Ticker

Variação

Preço

Bradespar

BRAP4

-24,96

24,99

Banco Inter

BIDI4

-20,17

9,54

Lojas Renner

LREN3

-13,64

24,44

EcoRodovias

ECOR3

-11,81

7,32

Rede D’Or

RDOR3

-10,47

44,83

Fonte: Infomoney.com


Índice de Ações Cearenses (IAC)

O conjunto das empresas cearenses listadas na B3 apresentou valorização de 0,61% em dezembro de 2021, invertendo o quadro de baixa que vinha ocorrendo nos últimos meses, conforme destaca o Índice de Ações Cearenses (IAC). No acumulado do ano, o IAC registra queda de 25,3% enquanto o Ibovespa apresenta declínio de 11,9%. Neste mês, das nove ações que compõem o índice, cinco apresentaram desempenho positivo, as três que mais se destacaram foram ARCE, PGMN3 e COCE5 com valorização de 14,26%, 13,65% e 10,20% respectivamente. Do lado negativo, merecem destaques a BRIT3 com -11,07%, AERI3 com -9,88% e MDIA3 com -8,50%.

Veja mais sobre o IAC clicando aqui.

Ação analisada do mês: Banco do Nordeste (BNBR3)

a) Análise fundamentalista

Indicador

Resultado

Índice P/L

- 4,91

Índice P/VP

0,88

DY - Dividend Yield

6,54%

Fonte: Status Investing
Posição: 30.12.2021

O Índice P/L é calculado a partir do preço da ação divido pelo lucro por ação anual do ativo. Ele representa o quanto o mercado está disposto a pagar pelos ganhos de uma empresa. No caso do BNBR3, o P/L de 4,91 indica que a empresa apresentou lucro no exercício. Entretanto é sempre bom avaliar a natureza desse resultado, se sua causa tem origem em fatores recorrentes ou não. 
O índice P/VP é obtido após a divisão entre o preço do ativo e o valor patrimonial da empresa. No caso do BNBR3, o valor do P/VP de 0,88 indica que o preço de negociação do ativo é inferior ao seu valor patrimonial.

Para se obter o cálculo percentual do Dividend Yield de uma empresa deve-se dividir o valor de dividendos pagos durante um determinado período pelo preço da ação, antes da distribuição de dividendos e multiplicar por 100. Através do DY é possível entender a relação entre os dividendos que a empresa distribuiu e o preço atual da ação da companhia. No caso do BNBR3, o DY indicou um retorno de 6,54% no ano.

b) Fatos relevantes

O último fato relevante anunciado pelo Banco do Nordeste, em 22.10.21, foi o pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio no total de R$ 1,9630 relativos ao 1º semestre de 2021. O valor representa um yield de 2,86% em relação ao preço de fechamento do ativo no dia do anúncio (R$ 68,55).

c) Análise técnica

Gráfico 1 – Gráfico diário BNBR3

Fonte: Status Investing

O gráfico mostra o preço do ativo em tendência de alta no longo prazo demonstrada pela LTA (Linha de Tendência de Alta). Observa-se uma última resistência a ser vencida na faixa de R$ 100,50 e a formação de um suporte de médio prazo em torno de R$ 60,00 / 70,00, testando justamente a LTA como suporte.

De acordo com a teoria da análise técnica é provável que, se não houver o rompimento da LTA para baixo, o preço retome a trajetória de alta por dois motivos: i) a LTA tem demostrado ser um suporte forte no longo prazo, tendo sido testada várias vezes desde 2013; e ii) atualmente a LTA na faixa de R$ 60,00 / 70,00 coincide com a retração de 50% de Fibonacci (não apresentado no gráfico).

Disclaimer

O Boletim de Mercado de Capitais, elaborado por professores e alunos do curso de Finanças da Universidade de Fortaleza – UNIFOR, é um documento informativo, desenvolvido estritamente no âmbito acadêmico, não se constituindo de recomendação de compra e/ou venda de qualquer valor mobiliário, nem como recomendação de investimentos.