Biblioteca Digital de Teses e Dissertações

Título: BIBLIOTERAPIA PARENTAL: estratégia para desenvolvimento de parentalidades promotoras de saúde mental infantil
Autor: Brito, Raissa Freitas Gomes
Programa: Doutorado Em Saúde Coletiva
Data da defesa: 04/11/2021

Orientador:
Sousa, Mirna Albuquerque Frota

Banca examinadora:
Brilhante, Aline Veras Morais
Gomes, Ilvana Lima Verde
Martins, Mariana Cavalcante

Resumo: Este estudo apresenta a defesa da tese de que a Biblioterapia Parental é uma estratégia eficaz para o desenvolvimento de parentalidades promotoras de saúde mental na primeira infância. Trata-se de uma pesquisa aplicada que objetivou: explorar concepções maternas sobre saúde mental na primeira infância; investigar a metaparentagem em mães de crianças na primeira infância que vivem em situação de vulnerabilidade; avaliar os resultados de uma intervenção de Biblioterapia Parental para prevenção da violência sexual na primeira infância; e realizar uma curadoria de livros infantis promotores de saúde mental para serem utilizados em intervenções de Biblioterapia Parental. A execução deu-se em três etapas ¿ levantamento; intervenção e curadoria ¿, resultando em quatro artigos científicos. O estudo foi desenvolvido com mães de crianças de zero a seis anos, no interior do Ceará/Brasil, em situação de pobreza ou extrema pobreza, atendidas por programas sociais de âmbito federal e estadual voltados ao desenvolvimento integral da primeira infância. A coleta dos dados, realizada nos meses de junho e julho/2021, deu-se por meio de questionário, formulário, pesquisa bibliográfica, grupo de intervenção e entrevista. Os resultados da etapa de levantamento evidenciaram: uma concepção materna multifatorial do que se denomina saúde mental infantil, apesar de predomínio de aspectos emocionais; a violência psicológica e sexual indicadas como os principais fatores de risco para problemas de saúde mental na primeira infância; o uso abusivo de telas apontado como o principal impacto negativo da pandemia na saúde mental infantil; uma significativa associação entre práticas parentais e saúde mental infantil, considerando potencial para prevenir situações de risco; vasto repertório ao se elencar práticas parentais promotoras ou prejudiciais à saúde mental no início da vida; e uma autoavaliação materna positiva no que diz respeito à parentalidade. A intervenção de Biblioterapia Parental ¿ segunda etapa do estudo ¿, por sua vez, resultou no desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes parentais protetivas contra a violência sexual infantil, evidenciando o potencial da Biblioterapia Parental como gatilho gerador de amplos diálogos, expansão perceptiva, expressão de sentimentos e mudanças de comportamento. Por fim, a terceira etapa apresenta a experiência de uma curadoria de livros infantis promotores de saúde mental na primeira infância para serem usados em futuras intervenções de Biblioterapia Parental. Trata-se de um estudo qualitativo e exploratório, realizado por meio de pesquisa bibliográfica a partir do acervo de livros do Programa Criança Feliz executado em um município no interior do Ceará. Nesta etapa, a amostra da pesquisa foi composta por 54 livros, dos quais apenas oito abordavam algum tema relacionado à saúde mental. Na análise de conteúdo, emergiram quatro categorias temáticas: Violência psicológica, abordada pela maioria da amostra; Vínculos parentais; Separação conjugal; e Inteligência emocional. Os resultados da pesquisa como um todo levam à conclusão de que a intervenção de Biblioterapia Parental apresentou-se como estratégia econômica e eficaz para desenvolvimento de competências parentais promotoras de saúde mental na primeira infância, na medida em que conseguiu promover amplo partilhar de conhecimentos, desenvolver habilidades para educação sexual infantil no âmbito familiar e fomentar atitudes parentais protetivas, dentre as quais a da leitura compartilhada de livros infantis de abordagem preventiva entre mães e filhos. Palavras-chave: Saúde mental. Saúde infantil. Prevenção primária. Biblioterapia. Parentalidade.

Abstract: This study presents the defense of the thesis that Parental Bibliotherapy is an effective strategy for the development of parenting that promotes mental health in early childhood. This is an applied research aimed at: explore maternal conceptions about mental health in early childhood; investigate metaparenting of mothers of children in early childhood; evaluate the results of a Parental Bibliotherapy intervention for the prevention of sexual violence in early childhood; and curate mental health promoting children's books for Parental Bibliotherapy interventions. The execution took place in three stages ¿ survey; intervention and curatorship ¿ resulting in four scientific articles. The study was carried out with mothers of children from zero to six years old, in the interior of Ceará/Brazil, in a situation of poverty or extreme poverty, assisted by social programs at the federal and state level aimed at the integral development of early childhood. Data collection, carried out in June and July/2021, took place through a questionnaire, form, bibliographic research, intervention group and interview. The results of the survey stage showed: a multifactorial maternal conception of what is called child mental health, despite the predominance of emotional aspects; psychological and sexual violence indicated as the main risk factors for mental health problems in early childhood; the abusive use of screens identified as the main negative impact of the pandemic on children's mental health; a significant association between parenting practices and child mental health, considering the potential to prevent risky situations; vast repertoire when listing parenting practices that promote or harm mental health early in life; and a positive maternal self-assessment regarding parenting. The intervention of Parental Bibliotherapy ¿ second stage of the study ¿, in turn, resulted in the development of knowledge, skills and protective attitudes against child sexual violence, highlighting the potential of Parental Bibliotherapy as a trigger for generating broad dialogues, perceptive expansion, expression of feeling and behavior change. Finally, the third stage presents the experience of curating children's books that promote mental health in early childhood to be used in future Parental Bibliotherapy interventions. This is a qualitative and exploratory study, carried out through bibliographical research from the collection of books from the Happy Child Program, carried out in a municipality in the interior of Ceará. At this stage, the research sample consisted of 54 books, of which only eight addressed some topic related to mental health. In the content analysis, four thematic categories emerged: Psychological violence, addressed by the majority of the sample; parental bonds; Marital separation; and emotional intelligence. The results of the research as a whole lead to the conclusion that the Parental Bibliotherapy intervention presented itself as an economical and effective strategy for the development of parenting skills that promote mental health in early childhood, insofar as it managed to promote a broad sharing of knowledge, to develop skills for child sex education in the family environment and foster protective parental attitudes, including the shared reading of children's books with a preventive approach between mothers and children. Keywords: Mental health. Children's health. Primary prevention. Bibliotherapy. Parenting.