angle-left Alunos da Unifor têm desconto no ingresso do MaxiModa 2019

Qui, 25 Julho 2019 17:04

Alunos da Unifor têm desconto no ingresso do MaxiModa 2019

Maior seminário de comunicação, varejo e negócios de moda do Nordeste acontece dia 9 de agosto no Teatro RioMar Fortaleza.


A Unifor esteve presente na 11ª edição do MaxiModa que aconteceu em 2018 (Foto: Divulgação)
A Unifor esteve presente na 11ª edição do MaxiModa que aconteceu em 2018 (Foto: Divulgação)

“Você está inovando? Conheça os caminhos para comunicar, vender e se relacionar com os novos tempos”. Esse é o tema do 12º MaxiModa, o maior seminário de comunicação, varejo e negócios do Nordeste, que neste ano oferecerá 15% de desconto no ingresso para estudantes da Unifor, universidade oficial do evento.

Consolidado no calendário regional e nacional, o evento será realizado no dia 9 de agosto, de 8h às 18h, no Teatro RioMar Fortaleza e promoverá um encontro especial entre empreendedores, profissionais, acadêmicos e influenciadores que pensam a inovação em um mundo cada vez mais competitivo.

O curso de Design de Moda da Unifor estará presente ao evento com um estande interativo, sorteando Tangrans entre os presentes. O Tangram é um quebra-cabeças geométrico chinês formado por sete peças, chamadas tans: são dois triângulos grandes, dois pequenos, um médio, um quadrado e um paralelogramo. O uso de todas essas peças, sem sobrepô-las, permite a formação de várias figuras.

Além disso, a professora Raquel Tavares, coordenadora dos cursos de MBA em Marketing de Moda, MBA em Gestão de negócios de Moda e Especialização em Produção de Moda e Styling da Unifor, participará das rodas de conversa com os palestrantes e a aluna Mariana Azevedo, do curso de Design de Moda da Unifor, dará depoimento sobre a importância da graduação em sua formação profissional.

O MaxiModa tem formato de palestras seguidas de mesas-redondas nas quais são abordados assuntos sobre varejo, comportamento, business, tendências e comunicação. No palco, personalidades que são referência no Brasil e no mundo compartilham casos e experiências de sucesso que enriquecem o encontro e inspiram a plateia.

Desde sua primeira edição, em 2008, o MaxiModa vem conquistando cada vez mais o respeito e a credibilidade do mercado nacional de moda. Em suas edições anteriores, o evento contabilizou um público de mais de cinco mil pessoas e a participação de mais de 40 palestrantes.

Para a edição 2019 e com o objetivo de explorar ao máximo o tema da inovação aplicado a todos os segmentos, o MaxiModa 2019 montou um time de craques e traz a Fortaleza para compor a programação: Ana Couto, CEO da agência Ana Couto e referência em Branding no Brasil; Alexandra Farah, jornalista de moda e curadora do festival WeAr; Ana Isabel, Co-founder do e-commerce Shop2gether; e Betty Prado, sócia de Glória Pires na Bemglô, plataforma inovadora no modelo de e-commerce com conteúdo, marcas e produtos que seguem a filosofia do Comércio Justo.

As palestras terão mediação de Jackson Araújo, comunicólogo especializado em análise de comportamento e tendências de consumo de moda, mídia e comunicação, e da idealizadora do evento, Márcia Travessoni, diretora da 333 Comunicação, publisher da plataforma Márcia Travessoni Galeria e assina diariamente a Coluna Gente, no caderno Verso, do jornal Diário do Nordeste.

“Sempre procuro garantir aos presentes que o MaxiModa seja esse dia de imersão e troca de experiências com profissionais renomados para além da moda, antenados pelo mundo em pesquisas, tendências, inovações e temas como marketing, branding, sustentabilidade e tecnologia. O MaxiModa foi desenhado para o público de empresários de moda do Ceará, mas ganhou uma abrangência não só para estes profissionais, mas todo e qualquer empresário que quer aprender agregando novidades ao seu conhecimento de vida e nos seus negócios. Nós estamos aqui para evoluir. E uma vez que atualmente o mundo e os nossos negócios passam constantemente por transformações em todas as áreas, fica ainda mais importante buscarmos conhecimento”, diz a idealizadora do evento, Márcia Travessoni.

Conheça os palestrantes

Ana Couto (CEO da Agência Ana Couto – Branding)
Tema: Moda + Branding: criando valor para os novos tempos

Alexandra Farah (Jornalista de Moda e Curadora do WeAr)
Tema: Moda & Tecnologias vestíveis

Ana Isabel (Co-founder Shop2gether)
Tema: A evolução do e-commerce

Betty Prado (Sócia da Glória Pires na empresa Bemglô, plataforma inovadora de moda e design)
Tema: Bemglô - Uma rede do bem. Como a Bemglô criou sua rede do bem online e off-line

Márcia Travessoni
Idealizadora e apresentadora do MaxiModa, diretora da 333 Comunicação, publisher da plataforma Márcia Travessoni Galeria e assina diariamente a Coluna Gente, no  jornal Diário do Nordeste.

Jackson Araújo
Formado em liderança criativa pela escola holandesa Think e organizador do MaxiModa.

Raquel Tavares
Graduada em Estilismo e Moda pela Universidade Federal do Ceara (UFC), com pós-graduação em Design Têxtil em Moda pela Faculdade Católica do Ceará e mestranda em Artes pela UFC. 

Sobre o MaxiModa

Criado em 2008 por Márcia Travessoni, o MaxiModa valoriza as iniciativas de marketing, com foco no mercado de moda, varejo, negócios, beneficiamento e serviços afins. O evento anual realiza um ciclo de palestras, apresentadas no decorrer de um dia de encontro, reunindo cases de sucesso de diversos representantes da indústria da moda e do varejo nacional e conta com apoio e patrocínio de grandes empresas nacionais e locais. Até o ano de 2015, o MaxiModa foi realizado na maior sala de cinema do UCI Ribeiro, no Shopping Iguatemi Fortaleza, recebendo um público em torno de 450 pessoas por edição.

Desde 2016, o evento é realizado no Teatro do Shopping RioMar Fortaleza, ampliando seu público, agora em torno de 700 a 800 pessoas. Além das palestras e dos debates com grandes profissionais, o evento oferece espaço para os parceiros realizarem ações dentro do teatro e no foyer.

Com realização de Márcia Travessoni, o evento conta com o patrocínio do grupo M. Dias Branco, Unifor, Castelo Borges Segurança, 3 Corações, Indaiá, Sebrae, Sinditêxtil, Sindconfecções e Sindroupas, Jangadeiro Têxtil, SENAI/CE, Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), com o apoio Institucional da Fecomércio Ceará e Senac Ceará, e apoio do Shopping RioMar Fortaleza, Gran Marquise Hotel, Elemidia, Bandeirantes - A Top em mídia exterior, rádio Beach Park FM, T-Shirt In Box e Alyne Cosméticos.

Serviço

12º MaxiModa
Dia: 9 de agosto de 2019
Horário: de 8h às 18h
Local: Teatro RioMar Fortaleza  (R. Desembargador Lauro Nogueira, 1500, Papicu)

Venda de ingressos: 
Bilheteria do Teatro RioMar Fortaleza
Horário de funcionamento da bilheteria: De terça a sábado (12h às 21h) e domingos e feriados (14h às 20h)

Os alunos da Unifor devem comprar o ingresso na bilheteria e apresentar comprovante de matrícula atualizado para obter o desconto de 15%.

Venda online: https://uhuu.com/

Mais informações
https://marciatravessoni.com.br/maximoda2019/
Telefone: (85) 3224.4770

Molde de máscara caseira

Molde da máscara

Baixe a versão para impressão do gabarito em PDF. Imprima em A4, em escala 100%.

Baixe o PDF
Como fazer uma máscara caseira - passo 1

Passo 1

Recorte o tamanho mais adequado entre os modelos ao lado e prenda-o ao tecido com um alfinete. Corte o tecido usando o papel como guia. Repita o processo para ter quatro peças iguais

Como fazer uma máscara caseira - passo 2

Passo 2

Sobreponha duas peças, com a face que ficará exposta voltada para dentro. Costure a lateral e repita o processo com as outras duas peças. Faça os pontos próximos e arremate com nó nas extremidades. Use uma máquina de costura se tiver à disposição.

Como fazer uma máscara caseira - passo 3

Passo 3

Abra uma das peças, deixando a costura e a face que ficará escondida para baixo.

Como fazer uma máscara caseira - passo 4

Passo 4

Fixe as fitas nas extremidades usando um alfinete, deixando uma pequena sobra para fora. As fitas devem ficar “apontadas” para o centro. Se preferir, é possível usar um elástico no lugar das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 5

Passo 5

Sobreponha a outra peça costurada por cima, com a costura e o lado que ficará escondido para fora. Se tiver à disposição um material hidrofóbico, como TNT, acrescente mais uma camada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 6

Passo 6

Costure as duas peças, deixando um pequeno vão aberto em uma das laterias para a passagem das fitas. Para melhorar a vedação sobre o nariz, insira um arame sob um tira de tecido costurada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 7

Passo 7

Puxe as fitas pelo vão para virar a máscara do avesso, expondo o lado principal para fora e escondendo as costuras.

Como fazer uma máscara caseira - passo 8

Passo 8

Finalize costurando o buraco que ficou aberto para passagem das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 9

Passo 9

Amarre as fitas atrás da cabeça. Ao colocar a máscara, certifique-se de que o nariz, a boca e o queixo estão cobertos. Para crianças, considere fazer desenhos ou usar estampas lúdicas.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 1

Cuidados especiais

Não deixe a máscara ficar úmida, pois isso irá facilitar a passagem do vírus e proliferação de bactérias. Lave a máscara após cada uso ou a cada duas horas. Dê preferência à água quente e detergente. Seque à luz do sol.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 2

Uso individual

As máscaras são de uso individual e não familiar. Tenha várias para sempre ter uma limpa enquanto as outras estão sendo lavadas ou secando. Não toque a máscara durante o uso. Se tocar, lave imediatamente as mãos.

A diretriz da OMS está baseada, em parte, na preocupação de que o consumo desenfreado de máscaras pela população em geral provoque a falta do produto para quem mais precisa. Ou seja, a ideia é priorizar o uso onde ele é mais importante, seja reduzindo a propagação do vírus por pessoas que já estão infectadas ou protegendo aquelas que estão muito expostas.

As lacunas não respondidas já começam a ser debatidas. Uma delas, é a impossibilidade de se identificar pessoas infectadas mas que ainda não desenvolveram sintomas ou que nunca os desenvolverão mas que mesmo assim transmitem a doença.

Propagação pode ser reduzida

No Brasil, pessoas com sintomas leves de coronavírus, como coriza e febre baixa, não fazem teste para Covid-19 e, consequentemente, também não são orientadas a usar máscara para proteger familiares. E mesmo as que fazem os exames precisam esperar dias para saber se estão infectadas ou não.

A propagação do vírus por essas pessoas poderia ser reduzida se toda a população usasse máscaras. Jornais americanos, como o New York Times e o Washington Post, e o britânico The Guardian já defendem o uso de máscaras por toda a população e estão ensinando seus leitores a fabricar suas próprias máscaras em casa.

A solução "faça você mesmo" é interessante porque impede que uma corrida desenfreada à farmácias cause uma crise de oferta e permite o acesso geral à proteção, visto que no Brasil já é praticamente impossível encontrar o produto à venda.

Redução de microrganismos expelidos

Dois estudos publicados em revistas científicas atestam a eficácias de máscaras caseiras na proteção contra a gripe, que é transmitida de forma muito semelhante ao vírus da Covid-19 . Elas não protegem tão bem quanto uma máscara cirúrgica comum, e menos ainda que a N95, mas não ficam muito atrás.

Um dos estudos, produzido por pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, atesta que máscaras caseiras reduzem significativamente o número de microrganismos expelidos, embora uma máscara cirúrgica seja três vezes mais eficiente em bloquear transmissões.

O estudo também atesta diferentes graus de proteção dependendo do material utilizado. Toalhas de cozinha e saco de aspirador são mais eficientes, mas dificultam a respiração. O mais indicado é usar tecidos de algodão, como o de camisetas ou de roupas de cama. Quanto mais densa a malha, melhor.

Outro estudo, financiado pelo Ministério da Saúde da Holanda, atesta que máscaras caseiras oferecem proteção significativa, embora menos eficientes que máscaras cirúrgicas. O estudo também destaca que elas não sofrem de escassez de fornecimento, nem precisam de recursos adicionais para serem produzidas em larga escala.

Fonte: Folha de São Paulo.