angle-left Entrevista Nota 10: Larissa Macedo e o estudo como caminho

Seg, 17 Fevereiro 2020 13:56

Entrevista Nota 10: Larissa Macedo e o estudo como caminho

Larissa Alencar Macedo é formada em Direito pela Unifor (Foto: Ares Soares)
Larissa Alencar Macedo é formada em Direito pela Unifor (Foto: Ares Soares)

O estudo constante foi o caminho escolhido por Larissa Alencar Macedo. Advogada formada pela Universidade de Fortaleza, ela soube aproveitar todas as oportunidades oferecidas durante a graduação. Fez estágios, aprofundou conhecimentos, buscou o auxílio dos professores. Ao fim desse período, Larissa decidiu encarar a advocacia como uma “militância”. Atualmente, ela empreende em seu próprio escritório e mantém projetos de estudos relacionados ao universo digital e as aplicações do Direito.

Logo após dar a luz ao seu primeiro filho, Larissa foi aprovada em um importante estágio para sua carreira e continuou cursando as disciplinas da graduação. Foi nesse período que descobriu sua paixão: o Direito relacionado à Tecnologia da Informação. Atualmente, ela é integrante do Instituto de Direito e Tecnologia da Informação (IDTI) e também faz parte da Comissão de Direito da Tecnologia da Informação na Ordem dos Advogados do Brasil. Na entrevista a seguir, gravada nos estúdios da Unifor, a advogada reflete sobre as possibilidades para o futuro, sobre a necessidade buscar formação complementar e sobre a persistência necessária para conseguir espaço no mercado de trabalho. Confira!

Pausado...

    Entrevista

    Entrevista Nota 10 - Larissa, você tem uma atuação muito consistente no mercado de trabalho. É secretária da Comissão de Direito e Tecnologia da Informação na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Ceará; é integrante do Instituto do Direito e Tecnologia da Informação; é sócia do Escritório Alencar Macedo Advogados Associados. Como as experiências vividas nos bancos da universidade foram importantes e ampliaram horizontes para as possibilidades?

    Larissa Alencar Macedo - A minha experiência na Unifor foi muito rica. Eu entrei na graduação ainda jovem, em 2003, e pude experienciar com muita calma todas as oportunidades que a Unifor tinha para me oferecer. Eu sempre falo que a graduação depende muito do aluno. E a Unifor é uma universidade que oferece várias oportunidades para o aluno crescer dentro da instituição. E eu aproveitei várias! Eu tanto frequentava as aulas como participava dos cursos extracurriculares - e isso foi me abrindo os horizontes para a minha profissão. Onde eu poderia explorar os meus dons e os meus potenciais, assim eu fiz. Fui prosseguindo a graduação, passei no estágio na Justiça Federal do Ceará e lá eu tive a oportunidade de ser estagiária de uma vara que estava implantando o processo eletrônico, que se chamava CRETA. Esse sistema ainda existe e ainda é operante nos Juizados Especiais Federais. Me despertou a vontade da busca pelo saber desse mundo novo - que estava sendo implantado dentro do mercado de trabalho e iria ser uma ferramenta que só iria crescer dentro da nossa atuação. Daí por diante, eu passei a me interessar e estudar. E, assim que me graduei, entrei na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Eu fui aprovada no exame e o primeiro passo que eu dei como advogada foi me inscrever na comissão - que na época era Comissão de Informática Jurídica. Então, desde que eu me graduei e entrei nos quadros da Ordem, eu já participei da Comissão de Informática Jurídica. Isso me permitiu aprofundar o meu conhecimento nessa área de tecnologia, conhecer pessoas capacitadas na área e dentro do mercado de trabalho também. E pude percorrer esse caminho - que continuo trilhando até hoje - sendo secretária da comissão – que atualmente é chamada de Comissão de Direito e Tecnologia da Informação.

    Entrevista Nota 10 - Para os jovens advogados, qual a importância de estar perto de instituição como a Ordem dos Advogados do Brasil?

    Larissa Alencar Macedo - A OAB é uma instituição formada por colegas. Uma vez que você adentram os quadros, você consegue aumentar o seu networking dentro da área jurídica, porque você vai ter contato com diversas especialidades do Direito por meio das comissões. Como a OAB ela tem hoje, eu acredito, mais de 70 comissões temáticas, o estudante quando aprovado tem a oportunidade de caminhar por várias áreas. Então, uma vez escolhendo a que ele se identifica mais, vai ter a oportunidade de crescer dentro daquela área. E usando a base e suporte da OAB - que é uma instituição de âmbito nacional e que te permite ter a solidez de percorrer. Não só aqui no Ceará, mas através de convênios tanto com a OAB Federal como com outras seccionais da OAB também. E também percorrer o interior. O que te permite ampliar o teu leque de atuação no mercado. É um suporte institucional. Você tem a Ordem com você, uma vez que você participa como um membro de uma das comissões temáticas.

    Entrevista Nota 10 - A sociedade está muito ligada às questões digitais. Todos os dias, vemos notícias sobre crimes cibernéticos, comércio eletrônico, direitos relacionados à privacidade e proteção de dados. Como acontece a atuação da Comissão de Direito e Tecnologia da Informação?

    Larissa Alencar Macedo - A comissão vem para dar um suporte para a sociedade, assim como a OAB. A OAB também presta um serviço para a sociedade. E a comissão vem com essa missão de prestar esclarecimentos, de ser buscada, de ser conhecida, de prestar essa informação e ser um apoio para quem precisar. Quem busca a Ordem para obter informações acerca de crimes cibernéticos, da Lei Geral de Proteção de Dados, a comissão ela com essa missão institucional de ser esse suporte direto com a sociedade, para essa temática. Ela é mais informativa, ela faz eventos informativos - tanto para a classe como aberto para o público em geral. A comissão presta informações quando procurada por emissoras de rádio, emissoras de televisão, por mídia impressa e por mídia digital. Então, ela é um canal de informação para a sociedade.

    Entrevista Nota 10 – A internet tem um ritmo muito rápido. Como a área do Direito lida com isso? Como acompanhar mudanças tão rápidas?

    Larissa Alencar Macedo - A lei vem para estabelecer diretrizes gerais sobre de diversos assuntos. Nós já tivemos o Marco Civil da Internet, agora vai entrar em vigor a Lei Geral de Proteção e Dados. A lei vem estabelecendo regulamentos, vem estabelecendo marcos para que a sociedade vá se adaptando as novas mudanças e as novas tecnologias. E, concomitante a esse estabelecimento das leis - que são os marcos - tem também a jurisprudência - que são julgados solidificados dos tribunais que eles vem para dar essa maleabilidade a lei. Vem adaptando a lei ao caso concreto e, assim, o Direito vai se adaptando às demandas sociais que realmente são muito voláteis. Tudo muda muito rápido. Mas vem em forma de jurisprudência para conformar a atividade social com o que a lei já dispõe. E, realmente, se há um período em que a mudança foi extrema e a lei ficou defasada, aí vem uma alteração legislativa e se passa a conformar novamente aquela situação atual. Daí porque se entram em vigor novos códigos e novas leis. São as alterações legislativas para albergar a nova condição da sociedade.

    Entrevista Nota 10 - Outro campo sobre o qual falamos muito é a informatização dos processos judiciais. Hoje, o Brasil está nesse processo. A comissão também tem acompanhado esse processo de informatização?

    Larissa Alencar Macedo – A comissão trabalha ativamente, até junto do Tribunal de Justiça, nessas implantações dos processos judiciais eletrônicos. Nós não temos um sistema só eletrônico de “peticionamento”. Até brinco que os tribunais colocam os sistemas e o advogado que lute. São vários. Temos o CRETA, temos o PJE. O advogado tem que ser um profundo conhecedor de tecnologias, pois precisa se adaptar. O cliente chega com a demanda e ele não pode dizer que não conhece o sistema eletrônico. Ele precisa estudar, para poder “peticionar” e exercer as suas atividades. Entrevista Nota 10 - Mas tem existido mais celeridade na Justiça? Larissa Alencar Macedo – Eu vejo progresso. Principalmente, pela facilidade do acesso. Antigamente, quando os processos eram todos físicos e um advogado que morava em Fortaleza precisava consultar um processo em São Paulo, teria que ter um gasto para se deslocar ou pagar um advogado para se deslocar em São Paulo. Hoje, isso é feito direto. Não preciso mais desse intermediário. Do meu escritório, eu me cadastro no sistema daquele tribunal e posso acessar as peças que forem públicas. Já traz uma celeridade para o exame dos autos, que antes não existia. Essas pequenas questões, que antes eram grandes entraves para os advogados, muitos deixavam de atuar fora do seu estado natal por ter essas despesas e não querer passar por essas demoras. Muitos advogados deixavam de expandir por conta dos entraves burocráticos para acesso dos autos. E, agora, isso não existe mais. De onde você está, consegue acessar processos no Brasil inteiro.

    Entrevista Nota 10 - O Ceará, especialmente no interior do estado, tem conseguido se destacar nessa seara?

    Larissa Alencar Macedo – Nós já caminhamos bastante. Começamos no Tribunal de Justiça com a capital. Foram digitalizadas as novas demandas. Todas tiveram um marco. E a partir dela, todo o “peticionamento” já era eletrônico. E, em concomitante, o Tribunal foi digitalizando o passivo físico. Após ter vencida a etapa da capital, passou-se a digitalizar os processos do interior. E, hoje, acredito que 90% do interior tenha sua demanda física já digitalizada.

    Entrevista Nota 10 – E sobre o Instituto de Direito e Tecnologia da Informação, fala um pouco como surgiu e o que é...

    Larissa Alencar Macedo – Esse instituto surgiu na época que eu entrei dentro da comissão, quando ainda era Informática Jurídica, junto com os amigos que faziam parte. Nós tivemos a ideia. Na verdade, o nosso presidente a época, o Carlos Eduardo paz. Ele é o fundador e presidente. E, tendo em vista a carência no mercado local de pessoas que se detivessem a estudar essa temática de direito ligada a tecnologia, surgiu o instituto. Como forma de aprofundar o conhecimento e também fazer intercâmbio com outros profissionais em outros estados.

    Entrevista Nota 10 – Na graduação, você já tinha o ensino voltado a essas áreas atuais? Conseguia enxergar esses panoramas?

    Larissa Alencar Macedo – Na graduação, eu tive a oportunidade de ser estagiária da vara que estava implantando o processo eletrônico. A minha primeira vivência com o processo eletrônico veio ainda dos bancos da universidade. Por meio do convênio de estágio que é firmado entre a universidade e a Justiça do Ceará. Mas, dentro da academia, na graduação e nas disciplinas que eram ofertadas, como era uma temática nova para a época, ainda não existia uma cadeira propriamente dita para isso. Inclusive, na Unifor, há um professor que trata dessas questões com brilhantismo, que é o professor João Neto. E ele traz muito a questão dos crimes, que é a área dele, para o Direito e a área de tecnologia.

    Entrevista Nota 10 – E, ao contrário de muitos alunos do Direito, você optou por não fazer um concurso público e, sim, ter seu próprio negócio. Quais são os desafios de empreender? Quais os desafios?

    Larissa Alencar Macedo – Quando eu me formei, já tinha uma estrutura de família diferente dos meus colegas da graduação. Eu já era casada e tinha um filho – que nasceu durante a minha passagem pela universidade. Então, como o meu marido já era advogado e já exercia, nós tivemos a oportunidade de trabalhar juntos. Surgiu a sociedade, chamada Alencar Macedo Advogados Associados. Não é fácil. Estamos há dez anos estabelecidos no mercado. E são muitos os desafios. Mas, quando você persiste e está determinado, você também procura desenvolver suas competências em gestão, em empreender, para que dê tudo certo. Foi isso que eu fiz. Quando estabelecemos a sociedade, nós tínhamos que fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Tanto dar de conta das audiências e do “peticionamento” quanto da estrutura do negócio em si. Eu precisei me capacitar para exercer todas as ramificações que a gestão de uma empresa precisa. Fiz o meu MBA em Gestão Empresarial e, assim, consegui profissionalizar as minhas atividades no campo da advocacia. Hoje, quando o profissional do Direito se forma, é com uma bagagem dogmática e específica para a lida do Direito. Ele não se forma com uma competência mais ampla para entender de gestão de escritório. No escritório lidamos com gestão de pessoas, gestão financeira, marketing. São muitos desafios para o advogado que quer ter seu próprio escritório – mas nada que não possa ser superado com estudo e vontade. Os jovens estão muito indecisos. Muitos vão prestar concurso público. Eles não enxergam na advocacia tanto uma área para ser investida. Enxergam algo transitório para deixar quando passar no concurso. Ele nem persiste na advocacia nem persiste no estudo para o concurso público. É o que eu vejo quando faço seleção para contratar advogados para o escritório. Muitas vezes, o que vemos é um lapso temporal dentro do currículo. E, quando você argui o candidato, ele diz que parou para estudar para concurso público. O que eu poderia aconselhar? Que tenha um foco! Uma vez que desenvolva a preferência, que persista. A advocacia não tem um retorno imediato. É uma profissão que lida muito com a confiança do cliente em você e no seu trabalho. E isso requer tempo de maturação para que as pessoas possam reconhecer. Precisa ter tempo. As coisas não acontecem do dia para a noite. Tudo vem com muito esforço, dedicação, estudo, trabalho. Mas o retorno vem. A advocacia é uma profissão rentável. Não me arrependo de ter optado pela minha militância na advocacia. Sou muito satisfeita – tanto com o que eu já consegui galgar até aqui quanto pelas perspectivas que me aguardam no futuro. Se o jovem pensa em advogar, não pode desistir na adversidade. Ninguém está imune às adversidades. A graduação é um leque de oportunidades. Mas, quando se forma, você vai abraçar uma seara para chamar de sua. O estudo propriamente dito vai ser a partir da formatura, quando você vai procurar sua especialização ou um MBA. Depois vai perseguir mestrado e doutorado. E, cada vez mais, o mercado exige profissionais completos e que tenham desenvolvimento sistêmico. Principalmente no Direito, para quem quer militar na advocacia, precisa ter conhecimento holístico. Tem que entender da matéria, tem que ter equilíbrio emocional. Tem que ser uma pessoa maleável, com jogo de cintura. A advocacia é um “mix”. Tem que ter o conhecimento – é um fato -, mas também precisa ter outras habilidades.

    Entrevista Nota 10 – Quais memórias você tem da Universidade de Fortaleza? Como foi sua dedicação e passagem enquanto estudante?

    Larissa Alencar Macedo – Eu tenho boas memórias. Na verdade, eu tenho ótimas memórias. Toda a minha bagagem profissional, eu tenho a partir da Unifor. Minha relação com o Direito começou aqui. Durante a graduação, no último ano antes de me formar, eu engravidei do meu primeiro filho. E tive meu filho durante as férias da faculdade, no dia 20 de julho de 2006. Durante esse período de gestação, tudo acontece nos bancos da universidade. A mulher muda muito quando está grávida. O ângulo físico também. Fora as questões emocionais que permeiam nossa cabeça nesse período – ainda mais quando você é jovem. Foram muitas questões, mas eu sempre me senti apoiada pela universidade, pela coordenação e pelos professores. Todos preocupados em me dar apoio acadêmico e psicológico. De me sentir bem na sala de aula, confortável. Eu guardo memórias fantásticas desse período. Fui tão acolhida que nunca pensei em desistir. E consegui terminar a graduação antes da minha turma. Eu, realmente, consegui passar por todo o período de grvidez e chegada do meu filho com apoio da instituição e de forma muito tranquila.