angle-left Sinduscon/CE homenageia Unifor por seus serviços prestados ao Ceará e ao Brasil

Qui, 4 Outubro 2018 15:06

Sinduscon/CE homenageia Unifor por seus serviços prestados ao Ceará e ao Brasil

A homenagem acontecerá durante evento que reúne cases internacionais de inovação tecnológica hoje e amanhã no Teatro RioMar Fortaleza


O evento acontecerá no dia 5 de outubro, às 8h30, no Teatro RioMar Fortaleza. Foto: Divulgação.
O evento acontecerá no dia 5 de outubro, às 8h30, no Teatro RioMar Fortaleza. Foto: Divulgação.

A Universidade de Fortaleza (Unifor) será homenageada pelo Sindicato das Construtoras do Estado do Ceará (Sinduscon/CE) por seus relevantes serviços prestados à educação e à pesquisa e ao desenvolvimento das pessoas e da economia do Ceará e do Brasil. A entrega de placa ao Chanceler da Unifor, Edson Queiroz Neto, acontecerá nesta sexta-feira, 5 de outubro, às 8h30, no Teatro do RioMar Fortaleza, durante a terceira edição do Inovaconstruir Experience 2018, iniciativa da entidade sindical que potencializa o desenvolvimento do setor da construção civil por meio da inovação. A programação do evento, que ocorre hoje e amanhã, tem cerca de 20 palestras nacionais e internacionais, focadas em cases sobre inovações em materiais, sistemas construtivos, tecnologias e métodos de gestão para as empresas.

Nesta edição, a presença de cases internacionais ganhou mais espaço, como o que apresenta os detalhes da construção do novo complexo World Trade Center, o mais alto dos Estados Unidos, em conversa a ser conduzida por Dara Mcquillan e Mike Marcucci, da equipe de marketing do WTC.  O projeto da Torre Allianz, da Arup Itália. Na condução, o engenheiro e diretor da Arup Itália, Luca Buzzoni apresenta o conceito de “sistema modular”, que pode ser repetido de forma infinita, materializando a ideia de arranha-céu sem limite.

O terceiro case internacional é de pré-fabricados para edifícios e casas em painéis autoportantes na Tailândia. O doutor em engenharia, Martin Maass, exibe a empresa que inaugurou agora a maior unidade de pré-fabricados no mundo. O grupo – em total – produz e constrói mais de 1300 casas e moradias pré-fabricadas por mês, todos em painéis de paredes estruturais, sem necessidade de vigas ou pilares.

Há ainda importantes cases nacionais, com os da Vitacon; Cidade Matarazzo (Grupo Allard); painéis pré-fabricados (Stamp); piso 3D (Polipox); impermeabilização com Poliureia (Brasfer); Grupo Resek com o case da Reserva Raposo sobre a inovação em bairro planejado para o Minha Casa Minha Vida; Masterfocus com a palestra sobre tecnologias web na construção; Fingerprint Digital com a  solução digital integrada para gestão de contratos, tabela de vendas, recebíveis e pagamentos; além da CEF Imóveis (BSB) com o case da concretagem do Yachthouse Residence Club, maior edifício residencial do Brasil e o case Parque da Cidade que trará o OUC de revitalização de área degradada em São Paulo, com projeto de complexo com 10 metros (comerciais, residenciais, shopping) e com certificação LEED ND.

“O Inovaconstruir foi criado há três anos para proporcionar o intercâmbio dos players nacionais do setor da construção com as mais modernas técnicas construtivas em destaque no mundo, disseminar a adoção de práticas inovadoras e, assim, promover a modernização da indústria da construção brasileira”, afirma o presidente do Sinduscon-CE, André Montenegro de Holanda.

Nas duas primeiras edições, o Inovaconstruir Experience reuniu mais de 1,2 mil participantes de todo o país, todos envolvidos com uma agenda positiva e propositiva em prol de novas soluções para a construção civil.

O Inovaconstruir é o maior evento de inovação destinado a todos os profissionais do setor da construção civil, empresários, estudantes, pesquisadores, startups, fornecedores e investidores. Os ingressos, com valor promocional, podem ser adquiridos por intermédio do site inovaconstruirexperience.com.br. Associados ao Sinduscon-CE, grupos (a partir de dez pessoas) e estudantes universitários têm condições especiais de acesso ao evento. A edição de 2018 conta com o patrocínio máster do Sebrae, Sistema FIEC, SENAI, Konstroi, patrocínio Weber Saint Gobain, produtos Quartzolit e Diário do Nordeste e apoio do CREA-CE, Cimento Apodi, Cegás e IBRAP.

Durante o Inovaconstruir Expericence haverá a entrega do Prêmio Destaque BIM. A iniciativa do Sinduscon-CE, por intermédio de seu braço tecnológico, o INOVACON, visa o desenvolvimento da indústria da construção civil cearense e a busca contínua por inovação. A iniciativa abrange o estado do Ceará e se propõe a fomentar a adoção da Modelação da Informação da Construção (BIM), a partir da disseminação de boas práticas e do fomenta ao ensino e à pesquisa na área. A premiação conta com duas categorias: Construtora & Contratante e Projetistas.

Mais informações e a programação do evento podem ser acessadas no link http://inovaconstruir.com.br/

Molde de máscara caseira

Molde da máscara

Baixe a versão para impressão do gabarito em PDF. Imprima em A4, em escala 100%.

Baixe o PDF
Como fazer uma máscara caseira - passo 1

Passo 1

Recorte o tamanho mais adequado entre os modelos ao lado e prenda-o ao tecido com um alfinete. Corte o tecido usando o papel como guia. Repita o processo para ter quatro peças iguais

Como fazer uma máscara caseira - passo 2

Passo 2

Sobreponha duas peças, com a face que ficará exposta voltada para dentro. Costure a lateral e repita o processo com as outras duas peças. Faça os pontos próximos e arremate com nó nas extremidades. Use uma máquina de costura se tiver à disposição.

Como fazer uma máscara caseira - passo 3

Passo 3

Abra uma das peças, deixando a costura e a face que ficará escondida para baixo.

Como fazer uma máscara caseira - passo 4

Passo 4

Fixe as fitas nas extremidades usando um alfinete, deixando uma pequena sobra para fora. As fitas devem ficar “apontadas” para o centro. Se preferir, é possível usar um elástico no lugar das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 5

Passo 5

Sobreponha a outra peça costurada por cima, com a costura e o lado que ficará escondido para fora. Se tiver à disposição um material hidrofóbico, como TNT, acrescente mais uma camada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 6

Passo 6

Costure as duas peças, deixando um pequeno vão aberto em uma das laterias para a passagem das fitas. Para melhorar a vedação sobre o nariz, insira um arame sob um tira de tecido costurada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 7

Passo 7

Puxe as fitas pelo vão para virar a máscara do avesso, expondo o lado principal para fora e escondendo as costuras.

Como fazer uma máscara caseira - passo 8

Passo 8

Finalize costurando o buraco que ficou aberto para passagem das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 9

Passo 9

Amarre as fitas atrás da cabeça. Ao colocar a máscara, certifique-se de que o nariz, a boca e o queixo estão cobertos. Para crianças, considere fazer desenhos ou usar estampas lúdicas.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 1

Cuidados especiais

Não deixe a máscara ficar úmida, pois isso irá facilitar a passagem do vírus e proliferação de bactérias. Lave a máscara após cada uso ou a cada duas horas. Dê preferência à água quente e detergente. Seque à luz do sol.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 2

Uso individual

As máscaras são de uso individual e não familiar. Tenha várias para sempre ter uma limpa enquanto as outras estão sendo lavadas ou secando. Não toque a máscara durante o uso. Se tocar, lave imediatamente as mãos.

A diretriz da OMS está baseada, em parte, na preocupação de que o consumo desenfreado de máscaras pela população em geral provoque a falta do produto para quem mais precisa. Ou seja, a ideia é priorizar o uso onde ele é mais importante, seja reduzindo a propagação do vírus por pessoas que já estão infectadas ou protegendo aquelas que estão muito expostas.

As lacunas não respondidas já começam a ser debatidas. Uma delas, é a impossibilidade de se identificar pessoas infectadas mas que ainda não desenvolveram sintomas ou que nunca os desenvolverão mas que mesmo assim transmitem a doença.

Propagação pode ser reduzida

No Brasil, pessoas com sintomas leves de coronavírus, como coriza e febre baixa, não fazem teste para Covid-19 e, consequentemente, também não são orientadas a usar máscara para proteger familiares. E mesmo as que fazem os exames precisam esperar dias para saber se estão infectadas ou não.

A propagação do vírus por essas pessoas poderia ser reduzida se toda a população usasse máscaras. Jornais americanos, como o New York Times e o Washington Post, e o britânico The Guardian já defendem o uso de máscaras por toda a população e estão ensinando seus leitores a fabricar suas próprias máscaras em casa.

A solução "faça você mesmo" é interessante porque impede que uma corrida desenfreada à farmácias cause uma crise de oferta e permite o acesso geral à proteção, visto que no Brasil já é praticamente impossível encontrar o produto à venda.

Redução de microrganismos expelidos

Dois estudos publicados em revistas científicas atestam a eficácias de máscaras caseiras na proteção contra a gripe, que é transmitida de forma muito semelhante ao vírus da Covid-19 . Elas não protegem tão bem quanto uma máscara cirúrgica comum, e menos ainda que a N95, mas não ficam muito atrás.

Um dos estudos, produzido por pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, atesta que máscaras caseiras reduzem significativamente o número de microrganismos expelidos, embora uma máscara cirúrgica seja três vezes mais eficiente em bloquear transmissões.

O estudo também atesta diferentes graus de proteção dependendo do material utilizado. Toalhas de cozinha e saco de aspirador são mais eficientes, mas dificultam a respiração. O mais indicado é usar tecidos de algodão, como o de camisetas ou de roupas de cama. Quanto mais densa a malha, melhor.

Outro estudo, financiado pelo Ministério da Saúde da Holanda, atesta que máscaras caseiras oferecem proteção significativa, embora menos eficientes que máscaras cirúrgicas. O estudo também destaca que elas não sofrem de escassez de fornecimento, nem precisam de recursos adicionais para serem produzidas em larga escala.

Fonte: Folha de São Paulo.