angle-left Biofilia: saiba o que é e conheça sua aplicação na Arquitetura

Qui, 15 Outubro 2020 15:20

Biofilia: saiba o que é e conheça sua aplicação na Arquitetura

O design biofílico tem influência na conexão dos seres humanos com a natureza, oferecendo impactos positivos ao bem-estar e meio ambiente


Fernanda Rocha, professora da Unifor, destaca a importância da Biofilia nos projetos de Arquitetura (Foto: Arquivo pessoal)
Fernanda Rocha, professora da Unifor, destaca a importância da Biofilia nos projetos de Arquitetura (Foto: Arquivo pessoal)

Plantas, iluminação natural, materiais reutilizáveis e peças em madeira. A arquitetura sustentável ganha cada vez mais adeptos e é introduzida ao ambiente através de diferentes detalhes inseridos no design. 

Estar em contato próximo com a natureza impacta positivamente o bem-estar humano, alivia o estresse, a ansiedade e proporciona a reconexão com o natural. Pensando nisso, muitos arquitetos e designers investem no movimento Biofilia, em que buscam integrar a natureza em seus projetos.

Do grego bio=vida e philia=amigo, a terminologia denota sobre o amor à vida. Assim explica Fernanda Rocha, professora e pesquisadora pertencente ao curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Fortaleza, instituição da Fundação Edson Queiroz. “Seu significado foi utilizado na segunda metade do século XX. No âmbito da psicanálise e da biologia, sugere uma afinidade inata dos seres humanos com o mundo natural. Portanto, na atuação do Arquiteto e Urbanista favorece a conexão de sua produção, em diferentes escalas, de modo a valorizar a aproximação sensível das atividades humanas com o meio ambiente e melhorar a qualidade de vida de todos os seres vivos”, explana.

Para adequar um ambiente ao design natural, Fernanda ressalta a importância em ir além da decoração sustentável já conhecida. “Estas estratégias nada têm de novidade, apenas voltaram à discussão pelo viés da sustentabilidade, tão falada, mas ainda pouco compreendida. E consistem, basicamente, na compreensão do contexto no qual está inserido, como por exemplo: condicionantes climáticas tais como ventos, insolação, vegetação existente, materiais disponíveis. E mais profundamente, na alteração da visão antropocentrista para uma perspectiva na qual a essência da humanidade é sua inter-relação com tudo o que tem vida de modo equânime”, enfatiza.

Já as plantas naturais, quando utilizadas na decoração de um ambiente, fornecem aos espaços diferenciais de saúde e bem-estar. Segundo a professora, esse é um fator que influencia diretamente no crescimento do gosto das pessoas em inseri-las em seus espaços. “As plantas, tal como nós, compõem o meio ambiente. O fato de estarmos mais voltados a esta percepção e conectados com aspectos sensíveis de qualidade de vida, podem reforçar tal apreço. Mas, foi o distanciamento quase radical desta apreensão e consequências danosas de toda ordem resultantes de tal ruptura, que vêm possibilitando uma nova perspectiva de convívio ameno e respeitoso”, completa ela.

Além dos benefício destinados ao bem-estar humano, o design biofílico impacta positivamente o meio ambiente. “São muitos benefícios, e vão desde a preservação e conservação de recursos naturais, até a redução de custos de implantação e manutenção dos espaços livres, desde que se considere as preexistências de cada contexto”, conclui a professora.