angle-left Dia do Artista Plástico: confira homenagem da Universidade de Fortaleza

Sex, 8 Maio 2020 15:41

Dia do Artista Plástico: confira homenagem da Universidade de Fortaleza

Para celebrar a data, convidados enaltecem, por meio de depoimentos em vídeo, nomes que fazem parte da coleção da Fundação Edson Queiroz.


Nesta sexta-feira, 8 de maio, é celebrado o Dia do Artista Plástico. Em reconhecimento à data, a Universidade de Fortaleza, por meio do Espaço Cultural Unifor, reuniu nove convidados, entre professores de arte, críticos, galeristas e curadores, para prestar tributo, em um vídeo, a diversos artistas imortalizados por suas criações, das quais muitas hoje compõem a coleção da Fundação Edson Queiroz

“Convidamos pessoas que tem esse diálogo com nosso acervo, e pedimos para que cada uma delas prestasse homenagem ao Dia do Artista por meio de uma obra que está contemplada na nossa coleção. Assim, teremos a possibilidade de ver e nos deleitar com esses depoimentos que estão enaltecendo, conversando, dialogando e convocando essas obras tão importantes para a história da arte”, destaca a professora Adriana Helena, gestora do Espaço Cultural.

No vídeo, os artistas homenageados são: Sérvulo Esmeraldo (por Dodora Guimarães), Candido Portinari (por Denise Mattar), Hélio Oiticica (por Fernanda Rocha), Mestre Didi (por Marcelo Campos), Frans Post (por Pedro Boaventura), Waltercio Caldas (por Roberto Galvão), Antonio Bandeira (por Victor Perlingeiro) e Rubem Valentim (por Ana Clara). 

 

 

Eles também estão disponíveis no Instagram da Universidade.

Trajetórias e narrativas 

“Achei ótima a ideia de prestar esse agradecimento, pois com a situação que estamos vivendo, estamos sendo salvos por artistas. Principalmente agora, buscamos conteúdos produzidos por eles, sejam artes plásticas, teatro, cinema ou outros meios”, declara a curadora de arte Denise Mattar, parceira do Espaço. “Quando pensamos no melhor do ser humano, lembramos da arte. Citamos obras maravilhosas, como Michelangelo's e DaVinci’s”.

Para a iniciativa, Denise conta que, dentre tantas obras relevantes do acervo, foi difícil escolher apenas uma. A tela eleita por ela é de Candido Portinari. “Eu acho que o artista brasileiro tem que fazer uma arte que traga sua origem. O Portinari fez isso e, nas décadas de 1940 e 1950, alcançou reconhecimento internacional. É essa projeção que eu desejo para todos os nossos artistas”, explica sobre a decisão.

A escolha de Marcelo Campos, outro convidado, é bastante pessoal: o curador de arte optou por homenagear Mestre Didi, um artista que estudou durante a dissertação de mestrado e a tese de doutorado. “Acho importante que a coleção abrigue essa diversidade de linguagens e de narrativas. Ele é um artista muito importante para o que a gente chama hoje de arte afro-brasileira. A obra é muito curiosa, pois traça uma espécie de relação entre um signo religioso e a própria arte da escultura brasileira”, comenta.

Veja abaixo todas as obras escolhidas para a ação.