angle-left Universidade de Fortaleza debate pesquisas científicas acadêmicas em podcast

Sex, 25 Outubro 2019 13:42

Universidade de Fortaleza debate pesquisas científicas acadêmicas em podcast

O podcast “Unifor Comunica: Ciências no Campus” apresenta semanalmente um panorama sobre a produção científica da instituição


Com o intuito de divulgar e debater a produção científica que acontece dentro da Universidade de Fortaleza, é lançado, em outubro o podcast Uniforcomunica: ciência no Campus. Foto: Thiago Ferreira/FotoNic.
Com o intuito de divulgar e debater a produção científica que acontece dentro da Universidade de Fortaleza, é lançado, em outubro o podcast Uniforcomunica: ciência no Campus. Foto: Thiago Ferreira/FotoNic.

O podcast é uma mídia de transmissão de conteúdo similar aos programas de rádio. A diferença entre essas plataformas está na distribuição do conteúdo. O conteúdo do podcast fica disponível on demand, fazendo com que o usuário possa acessá-lo diversas vezes e através de uma conexão de internet. 

De acordo com um estudo encomendado pela plataforma de streaming global, Deezer, o número de consumidores de podcasts no Brasil aumentou para 67% do total de usuários apenas em 2019. Neste mesmo estudo, também é indicado que 25% dos brasileiros dedicam mais de uma hora por dia para o consumo de podcasts. 

Com o intuito de divulgar e debater a produção científica que acontece dentro da Universidade de Fortaleza, é lançado, em outubro, o podcast Uniforcomunica: ciência no Campus. O podcast é uma parceria da Rádio do Núcleo Integrado de Comunicação (Rádio NIC) com a Diretoria de Comunicação e Marketing da Universidade. Serão lançados novas edições todas às quinta-feiras no aplicativo da Rádio NIC. 

Segundo a professora de Radiojornalismo e coordenadora da Rádio NIC, Kátia Patrocínio, “o podcast é uma oportunidade da comunidade acadêmica da Universidade e da sociedade de uma maneira geral conhecer o que está sendo produzido pela instituição. Também é um momento de conhecer quem está produzindo”, destaca. 

“As pessoas estão consumindo cada vez mais podcasts, uma vez que, esses programas podem ser acessados em qualquer lugar e em qualquer momento. Os podcasts possuem características de programas de rádio em um tom de conversa e descontração, fazendo com o que o ouvinte se sinta acolhido e cada vez mais interessado no assunto”, comenta Patrocínio. 

O projeto idealizado pela professora Adriana Rolim, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas da Universidade de Fortaleza (PPGM), e pelo jornalista Luiz Carlos de Carvalho, tem como objetivo apresentar e discutir as pesquisas feitas no campus da Universidade e traz como convidados pesquisadores, alunos e pessoas pessoas beneficiadas pelos investimentos, que irão comentar o que tem produzido e responder perguntas de internautas. 

“Os brasileiros em geral manifestam grande interesse por esses temas científicos e o podcast Unifor Comunica: Ciência no Campus pode contribuir para a maior aproximação entre a sociedade e o conhecimento gerado na universidade. Os programas, semanais, abordam temas científicos de interesse geral da sociedade  e como as pesquisas realizadas na Universidade de Fortaleza contribuem para o desenvolvimento científico e tecnológico do nosso país”, comenta a professora Adriana Rolim. 

Kátia Patrocínio, supervisora da RádioNIC, diz que o novo programa gera um agregação ao aplicativo da rádio, lançado no mês de setembro, além de fazer com que os alunos da Universidade de Fortaleza fiquem cientes que as iniciativas de pesquisa estudantil estão gerando resultado.

O podcast é apresentado pelas alunas de jornalismo Beatriz Irineu e Mariana Lopes. Para a estudante Mariana Lopes, participar do podcast faz com que ela se relacione e conheça cada vez o que é proposto pelo Campus da Universidade. 

“Quando se tem um entendimento mais amplo sobre temas científicos e nas áreas de pesquisa, abre-se um universo de possibilidade e inovação para o campo acadêmico e principalmente para estender nossa experiência enquanto profissionais. O podcast traz justamente mais acessibilidade à esses conteúdos e às iniciativas científicas da universidade”, declara. 

Aplicativo RádioNIC

A célula de rádio do Núcleo Integrado de Comunicação da Unifor (NIC) lançou, no dia 12 de setembro, aplicativo Rádio NIC em uma parceria com o Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação (NATI). 

O objetivo da plataforma é facilitar o acesso e aumentar o alcance dos produtos realizados dentro do núcleo, como também disponibilizar para público externo. O aplicativo está disponível para os sistemas IOS e Android.

No do aplicativo estão disponibilizados todos os programas produzidos pelos estudantes da célula de rádio, além da nova identidade visual para a plataforma.

O ponto de partida para criação do aplicativo veio da monografia do aluno Weslley Monteiro Lemes, que foi apresentada no formato da plataforma.

Serviço

Programa: Uniforcomunica: Ciências no Campus
Periodicidade:
Toda quinta-feira
Duração: 20-30 minutos 

Molde de máscara caseira

Molde da máscara

Baixe a versão para impressão do gabarito em PDF. Imprima em A4, em escala 100%.

Baixe o PDF
Como fazer uma máscara caseira - passo 1

Passo 1

Recorte o tamanho mais adequado entre os modelos ao lado e prenda-o ao tecido com um alfinete. Corte o tecido usando o papel como guia. Repita o processo para ter quatro peças iguais

Como fazer uma máscara caseira - passo 2

Passo 2

Sobreponha duas peças, com a face que ficará exposta voltada para dentro. Costure a lateral e repita o processo com as outras duas peças. Faça os pontos próximos e arremate com nó nas extremidades. Use uma máquina de costura se tiver à disposição.

Como fazer uma máscara caseira - passo 3

Passo 3

Abra uma das peças, deixando a costura e a face que ficará escondida para baixo.

Como fazer uma máscara caseira - passo 4

Passo 4

Fixe as fitas nas extremidades usando um alfinete, deixando uma pequena sobra para fora. As fitas devem ficar “apontadas” para o centro. Se preferir, é possível usar um elástico no lugar das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 5

Passo 5

Sobreponha a outra peça costurada por cima, com a costura e o lado que ficará escondido para fora. Se tiver à disposição um material hidrofóbico, como TNT, acrescente mais uma camada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 6

Passo 6

Costure as duas peças, deixando um pequeno vão aberto em uma das laterias para a passagem das fitas. Para melhorar a vedação sobre o nariz, insira um arame sob um tira de tecido costurada.

Como fazer uma máscara caseira - passo 7

Passo 7

Puxe as fitas pelo vão para virar a máscara do avesso, expondo o lado principal para fora e escondendo as costuras.

Como fazer uma máscara caseira - passo 8

Passo 8

Finalize costurando o buraco que ficou aberto para passagem das fitas.

Como fazer uma máscara caseira - passo 9

Passo 9

Amarre as fitas atrás da cabeça. Ao colocar a máscara, certifique-se de que o nariz, a boca e o queixo estão cobertos. Para crianças, considere fazer desenhos ou usar estampas lúdicas.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 1

Cuidados especiais

Não deixe a máscara ficar úmida, pois isso irá facilitar a passagem do vírus e proliferação de bactérias. Lave a máscara após cada uso ou a cada duas horas. Dê preferência à água quente e detergente. Seque à luz do sol.

Cuidados especiais com a máscara caseira - dica 2

Uso individual

As máscaras são de uso individual e não familiar. Tenha várias para sempre ter uma limpa enquanto as outras estão sendo lavadas ou secando. Não toque a máscara durante o uso. Se tocar, lave imediatamente as mãos.

A diretriz da OMS está baseada, em parte, na preocupação de que o consumo desenfreado de máscaras pela população em geral provoque a falta do produto para quem mais precisa. Ou seja, a ideia é priorizar o uso onde ele é mais importante, seja reduzindo a propagação do vírus por pessoas que já estão infectadas ou protegendo aquelas que estão muito expostas.

As lacunas não respondidas já começam a ser debatidas. Uma delas, é a impossibilidade de se identificar pessoas infectadas mas que ainda não desenvolveram sintomas ou que nunca os desenvolverão mas que mesmo assim transmitem a doença.

Propagação pode ser reduzida

No Brasil, pessoas com sintomas leves de coronavírus, como coriza e febre baixa, não fazem teste para Covid-19 e, consequentemente, também não são orientadas a usar máscara para proteger familiares. E mesmo as que fazem os exames precisam esperar dias para saber se estão infectadas ou não.

A propagação do vírus por essas pessoas poderia ser reduzida se toda a população usasse máscaras. Jornais americanos, como o New York Times e o Washington Post, e o britânico The Guardian já defendem o uso de máscaras por toda a população e estão ensinando seus leitores a fabricar suas próprias máscaras em casa.

A solução "faça você mesmo" é interessante porque impede que uma corrida desenfreada à farmácias cause uma crise de oferta e permite o acesso geral à proteção, visto que no Brasil já é praticamente impossível encontrar o produto à venda.

Redução de microrganismos expelidos

Dois estudos publicados em revistas científicas atestam a eficácias de máscaras caseiras na proteção contra a gripe, que é transmitida de forma muito semelhante ao vírus da Covid-19 . Elas não protegem tão bem quanto uma máscara cirúrgica comum, e menos ainda que a N95, mas não ficam muito atrás.

Um dos estudos, produzido por pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, atesta que máscaras caseiras reduzem significativamente o número de microrganismos expelidos, embora uma máscara cirúrgica seja três vezes mais eficiente em bloquear transmissões.

O estudo também atesta diferentes graus de proteção dependendo do material utilizado. Toalhas de cozinha e saco de aspirador são mais eficientes, mas dificultam a respiração. O mais indicado é usar tecidos de algodão, como o de camisetas ou de roupas de cama. Quanto mais densa a malha, melhor.

Outro estudo, financiado pelo Ministério da Saúde da Holanda, atesta que máscaras caseiras oferecem proteção significativa, embora menos eficientes que máscaras cirúrgicas. O estudo também destaca que elas não sofrem de escassez de fornecimento, nem precisam de recursos adicionais para serem produzidas em larga escala.

Fonte: Folha de São Paulo.