angle-left Engenharia Eletrônica: saiba tudo sobre o curso e a profissão

Ter, 25 Setembro 2018 17:25

Engenharia Eletrônica: saiba tudo sobre o curso e a profissão

Mercado de trabalho apresenta oportunidades para as área de automação e desenvolvimento de soluções inovadoras.


Professor Bruno Ricardo de Almeida, coordenador do curso. Foto: Ares Soares.
Professor Bruno Ricardo de Almeida, coordenador do curso. Foto: Ares Soares.

A carreira em Engenharia Eletrônica é ideal para quem quer trabalhar com telecomunicações, sensores e atuadores industriais, instrumentação, engenharia de computadores (hardware/software), bioeletrônica e rede de computadores, entre outras. 

Durante o curso, os estudantes projetam e desenvolvem componentes, equipamentos e sistemas eletroeletrônicos empregados em automação industrial, sistemas de geração, transmissão e distribuição de eletricidade e eletrônica de consumo (aparelhos de rádio, TV e vídeo).

A Universidade de Fortaleza (Unifor) é a única instituição do Ceará a oferecer o curso de Engenharia Eletrônica. Avaliado com nota 4 em Conceito de Curso (CC) pelo Ministério da Educação (MEC), o bacharelado proporciona formação com foco na integração tecnológica. Assim, capacita os estudantes para atuar em diversas frentes. Entre elas, estão planejar, projetar e desenvolver produtos, serviços, processos e sistemas elétricos/eletrônicos, como também elaborar e aprimorar sistemas de controle e automação de máquinas elétricas em geral.

Entre os diferenciais do curso está a aplicação de metodologias integradoras do conhecimento, que proporciona experiências enriquecedoras antes da sua inserção do aluno como profissional no mercado de trabalho. Além disso, a formação promove a aplicação de práticas do conhecimento em engenharia eletrônica, ao oferecer infraestrutura com laboratórios de ponta, o que possibilita o desenvolvimento e habilitação ao exercício profissional.

A infraestrutura da Unifor conta com laboratórios do ciclo básico e laboratórios específicos de eletrônica analógica e digital, eletrônica de potência, sistemas embarcados e máquinas, entre outros. Durante as disciplinas, o aluno também tem acesso a programas (softwares) de projeto e simulação na área de eletrônica como Orcad, Proteus e Altium, além de laboratório de prototipagem e projetos.

Confira algumas das principais dúvidas sobre o curso respondidas pelo professor Bruno Ricardo de Almeida, coordenador de Engenharia Eletrônica da Unifor:

UNIFOR: Como está o mercado de trabalho para o profissional de Engenharia Eletrônica? Está crescente, em expansão, em alta? Por quê?

Ricardo Almeida: Como todos os setores no Brasil, este setor de eletrônica não está imune à crise. Apesar disso, nossos alunos que terminam o curso tem conseguido ingressar no mercado de trabalho. Vale destacar que somos o único curso de Engenharia Eletrônica no estado do Ceará e há demanda para investimento em novas tecnologias em todos os setores da economia contribuindo para a criação de oportunidades de trabalho no setor.

UNIFOR: Quais são as áreas de atuação em que há mais contratações de recém-formados? E para quem já tem experiência? Por quê?

Ricardo Almeida: Indústria de equipamentos eletrônicos e indústria em geral. Há demanda de profissionais para atuar na área de automação e no desenvolvimento de soluções inovadoras (Pesquisa e desenvolvimento).

UNIFOR: Onde estão as melhores oportunidades (regiões, cidades etc)? Por quê?

Ricardo Almeida: Principalmente em Fortaleza, mas há demanda também na região metropolitana, principalmente no Distrito Industrial e região do Pecém.

UNIFOR: Quais são as tendências e perspectivas futuras para essa profissão?

Ricardo Almeida: Há uma tendência de convergência tecnológica que leva a um nível crescente de integração entre os diversos sistemas que hoje funcionam de forma independente. Exemplos de tecnologias emergentes: Internet das coisas, Smart grid, Indústria 4.0. As soluções para esta integração passa pelo uso da eletrônica.

UNIFOR: Surgiram novas áreas de atuação?

Ricardo Almeida: Conforme resposta do item 4, há Cada vez maior necessidade de integração das diversas tecnologias que implica na necessidade do desenvolvimento de novas áreas de conhecimento e novos conteúdos que, por sua vez, gerará novas oportunidades e áreas de atuação.

UNIFOR: No caso do curso, há novidades no currículo? Tem trabalho de conclusão de curso e estágios obrigatórios? Se sim, como funcionam esses estágios (mais detalhes)? 

Ricardo Almeida: O curso tem uma proposta de formação generalista que prepara o estudante para atuar em um mercado em constante transformação e de mudanças tecnológicas muito rápidas. O foco do curso não é exatamente formar em tecnologias específicas, mas preparar o egresso para atuar nas diversas áreas e oportunidades que o mercado ofereça. Deve-se ressaltar que a eletrônica está presente em todos os segmentos da sociedade, seja na indústria, comércio, serviços, lazer, etc. Cada segmento tem suas especificidades e necessidades. Formamos profissionais com capacidade e autonomia intelectual para atuar em qualquer desses segmentos e serem capazes de acompanhar a evolução do conhecimento e da tecnologia.

Por isso, o curso passou por um processo de reforma curricular que teve sua implantação iniciada em 2014 e concluída em 2017. Mas, estamos iniciando novo processo de reforma curricular visando atender às novas demandas, mas procurando manter uma base de formação sólida.

O curso tem trabalho de conclusão de curso obrigatório. O aluno tem que defender o trabalho perante uma banca examinadora e há incentivo que sejam desenvolvidos trabalhos com implementação prática.

O estágio também é obrigatório e faz parte da proposta pedagógica do curso que o alunO tenha essa vivência em um ambiente de prática profissional real. Para isso, a Unifor mantém convênios com empresas de diversos portes e ramos de atividade. O estágio é orientado e acompanhado por professores devidamente qualificados e o estudante desenvolve relatórios de atividades periodicamente.