angle-left Ligas acadêmicas do curso de Medicina promovem sessão clínica sobre cigarros eletrônicos

Ligas acadêmicas do curso de Medicina promovem sessão clínica sobre cigarros eletrônicos

Jovem fuma cigarro eletrônico, dispositivo associado a problemas pulmonares graves (Foto: TBEC Review / Wikimedia commons)
Jovem fuma cigarro eletrônico, dispositivo associado a problemas pulmonares graves (Foto: TBEC Review / Wikimedia commons)

A Liga de Anestesiologia, Pneumologia e Terapia Intensiva (LIGAPI), em parceria com a Liga de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço (LOCAPE) e a Liga de Neurologia, Neurocirurgia, Genética e Psiquiatria (LANNGEP), vinculadas ao curso de Medicina da Unifor, irão promover uma sessão clínica sobre o uso de cigarros eletrônicos e seus possíveis efeitos colaterais com professores especializados, a fim de esclarecer as dúvidas do público alvo acerca do tema. 

O evento acontece na próxima terça-feira (19), a partir das 18h, no Auditório A-1. Para a ocasião, foram convidados os professores Verônica Freire, médica pneumologista, Bonfim, médico cirurgião geral e de cabeça e pescoço, e Nayana, médica em especialização em Saúde da Família.

Saiba mais

O cigarro eletrônico, também chamado de vape, e-cigarro, e-cig ou e-cigarette, é um Dispositivo Eletrônico para Fumar (DEF). Seus prejuízos à saúde ainda não são completamente conhecidos por ser um produto com grande variedade de tipos e produtos químicos. Embora não seja possível avaliar todos os males que causa à saúde, pesquisadores já descobriram que ele pode causar prejuízos sérios aos pulmões de seus usuários.

Os cigarros eletrônicos não contêm tabaco, mas procuram imitar as sensações do hábito de fumar. Eles podem ter variadas formas, como as de um pen drive, de uma caneta ou mesmo a de um cigarro ou charuto, e são movidos a bateria. Esses aparelhos aquecem um líquido que gera vapores inaláveis. A composição do líquido varia segundo o fabricante. Quase sempre, porém, ele contém nicotina, molécula que causa dependência, além de compostos químicos danosos à saúde e os polêmicos aditivos que dão gosto à mistura.

Em outubro deste ano, nos Estados Unidos, 26 pessoas morreram e 1299 foram diagnosticadas por doenças relacionadas ao uso de cigarros eletrônicos. Estima-se que 5,3 milhões de estudantes americanos dos ensinos fundamental e médio fazem uso do cigarro eletrônico.

Fontes: Wikipedia / Pesquisa FAPESP / G1

Serviço

Sessão Clínica: Discussão sobre o uso de cigarros eletrônicos
Dia: 19/11/2019
Horário: 18h
Local: Auditório A1
Aos participantes serão emitidos certificados