angle-left Pesquisa de professor da Unifor sobre “células zumbis” é destaque em TV americana

Sex, 15 Fevereiro 2019 16:31

Pesquisa de professor da Unifor sobre “células zumbis” é destaque em TV americana

Marcelo Borges Cavalcante, docente do curso de Medicina da Unifor, realiza pós-doutorado nos Estados Unidos


O estudo analisa o combate às “células zumbis” em humanos a partir do uso de medicamentos (drogas senolíticas). Foto: arquivo pessoal.
O estudo analisa o combate às “células zumbis” em humanos a partir do uso de medicamentos (drogas senolíticas). Foto: arquivo pessoal.

O professor Marcelo Borges Cavalcante, do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza, teve sua pesquisa sobre células senescentes veiculada no programa de notícias da WFTV, emissora local da cidade de Orlando, nos Estados Unidos da América. 

A pesquisa, intitulada “Role of senolytic drugs on aging” está sendo realizada sob orientação do professor Michal Masternak na Universidade da Flórida Central. O estudo analisa o combate às “células zumbis” em humanos a partir do uso de medicamentos (drogas senolíticas). 

O interesse da imprensa pelo tema se deu após a publicação do artigo “Senolytics in idiopathic pulmonary fibrosis: Results from a first-in-human, open-label, pilot study”, realizado na Universidade da Flórida Central em colaboração com a Mayo Clinic.

O que são as “células zumbis”? 

As células senescentes, popularmente conhecidas como “células zumbis”, são células que perderam a capacidade de se dividir em nosso organismo, mas não morreram. Elas permanecem circulando no corpo humano. 

Sua permanência na circulação sanguínea e em diferentes órgãos e tecidos está associada ao envelhecimento e desenvolvimento de doenças crônicas. 

O sistema imunológico tem capacidade limitada de eliminar as células e, com o tempo, elas se acumulam e chegam a desencadear complicações, por mecanismos ainda pouco conhecidos pelos pesquisadores. 

Resultados 

O interesse atual da pesquisa é entender os mecanismos que levam as células senescentes causar doenças, além de encontrar uma forma eficaz de eliminar as células senescentes da circulação e tecidos.

Com a pesquisa publicada, os cientistas concluíram que, o controle das células senescentes com os medicamentos melhora a função pulmonar em pacientes que possuem fibrose pulmonar idiopática.