angle-left Entrevista com o Gabriel O Pensador, atração do Mundo Unifor 2019

Sex, 11 Outubro 2019 10:46

Entrevista com o Gabriel O Pensador, atração do Mundo Unifor 2019

O músico vai apresentar o workshop “ouvindo e construindo rap”. (Foto: Divulgação)
O músico vai apresentar o workshop “ouvindo e construindo rap”. (Foto: Divulgação)

Música com inteligência. Assim pode ser definida a obra de Gabriel O Pensador, uma das atrações do Mundo Unifor 2019. O compositor de letras memoráveis marca presença no nosso evento para o workshop “Ouvindo e construindo rap com Gabriel o Pensador”. Dá um confere na entrevista concedida com exclusividade pelo cantor:

Unifor: O que você levará para o Mundo Unifor 2019?
Gabriel O Pensador: “Eu gosto muito de conversar com os estudantes, contar um pouco da minha carreira, da minha trajetória, da minha vida. Nessa visita, especificamente, pediram para eu mostrar um pouco do processo de criação de música, como funciona. O meu irmão, Tiago Mocotó, estará comigo para me ajudar a entrar um pouco mais nesse assunto. Vai ser um prazer, vamos contar como nasceram algumas músicas e algumas histórias sobre as gravações, sobre o feedback que recebemos dos ouvintes depois de terem sido lançadas”. 

Unifor: Você é uma pessoa que já passeou por diferentes carreiras. Qual dica você dá aos jovens que ainda não encontraram a sua vocação?
Gabriel O Pensador:
“Eu acho que fazer as coisas com paixão é o melhor combustível para uma carreira dar certo. E experimentar ideias novas, coisas que nunca foram feitas, não só seguir modelos que já existem, não só tentar se encaixar no mercado, e sim buscar inovação, transformação, evolução pessoal. Cada caso é um caso, as pessoas têm que descobrir seu talento, seu desejo maior de atuar na sociedade, pois cada profissão pode ajudar a transformar o mundo e a gente precisa mesmo acreditar que o mundo pode ser melhor. Então (a dica) é não pensar pequeno, não pensar só em se sustentar com um salário, mas contribuir com alguma coisa para o bem-estar geral da humanidade”.

Unifor: Qual é a importância dos livros na sua trajetória?
Gabriel O Pensador:
“Desde criança, eu comecei a gostar de ler. A partir das histórias em quadrinhos e depois com os livros que a escola passava. Primeiro, comecei a perceber que eu gostava do nosso idioma, da construção das frases, da língua portuguesa mesmo, e claro, pela curiosidade do conteúdo das histórias, pela curiosidade de descobrir quem era o assassino do livro de suspense ou entender a biografia de alguém que eu admirava. Lidar com as palavras, independentemente do tema, eu vi que eu gostava de ler e escrever. Então, os livros foram importantes pra mim nesse sentido também, não só pelo seu conteúdo específico, mas por estar exercitando o meu cérebro em relação ao ritmo das palavras, às várias maneiras que existem de os autores construírem seus textos. A música, paralelamente a isso, me trouxe várias linguagens diferentes de poesia. Desde o samba, a música brasileira, a MPB, com mais humor, mais simplicidade, até o rap, com a linguagem mais direta, com o reggae do Bob Marley, que me influenciou muito com suas metáforas e suas belezas, o rock brasileiro pós-ditadura. Então, eu sempre prestei atenção nesses jeitos diferentes dos autores construírem seus textos. Eu acho que isso me ajudou a construir o meu próprio estilo, a criar um estilo próprio que mistura várias influências, não só para fazer música, mas também para escrever meus textos”.