angle-left Conheça medidas que as empresas podem adotar para o bem-estar do colaborador no retorno presencial

Qui, 3 Setembro 2020 16:11

Conheça medidas que as empresas podem adotar para o bem-estar do colaborador no retorno presencial

Uma boa comunicação e clareza nas informações são indispensáveis no dia a dia de trabalho das organizações


Professora Karol Mota, coordenadora da Central de Carreiras da Universidade de Fortaleza (Foto: Arquivo pessoal)
Professora Karol Mota, coordenadora da Central de Carreiras da Universidade de Fortaleza (Foto: Arquivo pessoal)

Com a retomada de algumas atividades presenciais, o retorno ao trabalho ainda causa dúvidas e inseguranças aos trabalhadores. O receio de estar em contato com outras pessoas, dificuldades de locomoção para chegar à empresa e preocupação com as medidas de higiene necessárias são algumas questões pertinentes.

Pensando nisso, é necessário um posicionamento esclarecedor e empático das empresas com os seus colaboradores. Karol Mota, professora da Universidade de Fortaleza, instituição da Fundação Edson Queiroz, e coordenadora da Central de Carreiras, destaca que as empresas precisam apresentar clareza na informação. “É indispensável informar como esse funcionário deve voltar, quais são os requisitos de segurança que ele deve adotar para que esteja seguro e para que mantenha as pessoas que convivem com ele seguras. É interessante também, a empresa comunicar quais foram as suas providências quanto a organização, para que os trabalhadores estejam em condições seguras de trabalho”, ressalta ela.

O primeiro passo, portanto, está atrelado à comunicação. “Com a indicação de que a empresa tem uma preocupação com a biossegurança, isso é importante para todos, inclusive para a própria organização. Além de orientar sobre o que se espera desse funcionário ou do acadêmico estagiário no retorno presencial”, comenta a professora.

Karol enfatiza que a preparação da empresa é tão importante quanto manter uma boa comunicação. “É outro ponto que antecede até mesmo a comunicação. A empresa precisa se preparar, providenciando as medidas necessárias de acordo com as orientações governamentais. É preciso se preparar para receber este funcionário e estagiário, verificando espaços de trabalho, instrumentos de trabalho para que haja uma boa higienização e uso específico de um funcionário por equipamento, para que os equipamentos pessoais não sejam compartilhados. É necessário que a empresa se adeque e se estruture”, completa. 

Além dos protocolos de segurança recomendados pelo governo para evitar a contaminação do coronavírus, como permanecer a um metro e meio de distância, uso obrigatório de máscara e higienização das mãos, o diálogo com os funcionários é fundamental. “Principalmente se, por ventura, possam vir a adoecer. Relacionamentos positivos, com geração de vínculo afetivo na medida das condições organizacionais são sempre indicados e não é diferente agora. É momento de percebemo-nos parte desse todo que é a organização. A empresa cuida dos funcionários e vice-versa”, conclui a professora.