angle-left Os eventos cabem dentro da tela da tv, computador ou celular?

Qui, 28 Maio 2020 12:26

Os eventos cabem dentro da tela da tv, computador ou celular?

Por enquanto, essa tem sido a única forma viável e recomendável pelas autoridades sanitárias. Mas a expectativa é que, após a pandemia, haja o fortalecimento dos eventos híbridos e intimistas.


A professora Milena Auip, coordenadora do curso de graduação tecnológica em Eventos da Unifor, destaca que os eventos híbridos serão tendência no pós-pandemia. (Foto: Ares Soares)
A professora Milena Auip, coordenadora do curso de graduação tecnológica em Eventos da Unifor, destaca que os eventos híbridos serão tendência no pós-pandemia. (Foto: Ares Soares)

Com a pandemia de Covid-19 e o isolamento social, o setor de eventos e entretenimento precisou rapidamente se reinventar. Uma das soluções foi colocar em ação as tendências “futuristas” debatidas em fóruns do segmento. Assim vieram os eventos virtuais, como as lives e os aniversários/casamentos intimistas, que apesar de não utilizarem todos os fornecedores da cadeia, não deixaram o segmento como um todo parado.  

Os eventos online são realidade em todo o país e as pessoas estão comprando a ideia. Tudo isso graças às novas tecnologias. Mas será que essa modalidade veio para ficar? Para a professora Milena Auip, coordenadora do curso de graduação tecnológica em Eventos da Universidade de Fortaleza, da Fundação Edson Queiroz, a perspectiva é que, após a pandemia, haja o fortalecimento de eventos híbridos e intimistas, que mesclem a experiência presencial e virtual.

Para que não fiquem para trás, os profissionais de eventos estão participando de cursos, fóruns de debates e aprendendo com colegas das mais variadas áreas, principalmente com os profissionais de tecnologia e audiovisual. E o resultado tem sido positivo no Brasil. “Para se ter uma ideia, dentre as lives de músicos no Youtube, 7 das 10 mais assistidas no mundo são de artistas brasileiros, segundo dados fornecidos pela própria plataforma”, destaca a professora Milena. 

Esse movimento de busca por novos conhecimentos e readaptação está sendo trabalhado entre os alunos da graduação tecnológica em Eventos. “Estamos provendo debates online para que eles próprios possam, em suas atividades profissionais, se reinventar e não perder espaço no mercado. Inclusive, durante a pandemia, criamos e ativamos o nosso grupo de estudo Vivo de Eventos, a partir do qual debatemos sobre o reposicionamento do setor nesse ‘novo normal’ que estamos vivendo”, conta. 

O desafio de migrar um evento presencial para o formato online

Quem está encarando a pandemia como uma oportunidade para inovar é Ricardo Busgaib, produtor do Sana, o maior evento de cultura pop do Ceará. Primeiro, foi preciso transformar o jeito de agir nas redes sociais, com a realização de lives no Instagram e painéis no Youtube nesse período de pandemia. E no mês de julho, na mesma data em que aconteceria o evento presencial, que adiado para dezembro, será produzido um grande evento virtual, totalmente gratuito. 

Assim surgiu o Sana@Live, anunciado oficialmente no Dia do Orgulho Nerd. “Todas as redes sociais do Sana estarão integradas em um hotsite principal. O palco principal será no Youtube, com painéis diversos. A área de games será no Twitch. Haverá bate-papo e torneios no Instagram. Além de gincanas e brincadeiras no Facebook. Todas as ações acontecerão simultaneamente, como já acontece no Sana presencial”, detalha Ricardo, que é egresso do MBA em Eventos e Entretenimento da Universidade de Fortaleza

Para coroar a reinvenção do evento, a tecnologia e o aprendizado que está sendo adquirido com a produção do Sana@Live serão utilizados para transformar o Sana, que até então era 100% presencial, em um evento híbrido. “Isso era algo que até tínhamos vontade de fazer, mas tínhamos certa resistência. No momento em que a pandemia nos forçou a investir em tecnologia e ter um evento virtual, vimos que era possível fazê-lo de forma híbrida. O evento tem muito a ganhar e o público também”, reforça o produtor. 

É tempo de planejamento, pesquisa de mercado e tendências  

Rainarah Fontenelle, coordenadora de Eventos do Sistema Verdes Mares e graduada em Eventos pela Universidade de Fortaleza destaca a importância de aproveitar o período para realizar planejamento, pesquisa de mercado e tendências. “É um processo de desconstrução e ressignificação de tudo. No SVM, temos uma equipe muito criativa que está pesquisando o que acontece no mundo e que pode ser aplicado à nossa realidade”, revela. 

Os eventos mais populares feitos pelo SVM vão demorar um pouco para serem retomados e estão sendo reformulados para que possam atender às exigências sanitárias após a fase de isolamento social. Mas como a interação com a audiência não pode parar, projetos foram adaptados com muito sucesso, a exemplo do atual “Conexão SVM em casa”, no formato online, podendo ser visto pela TV, celular ou computador. “Está sendo uma experiência muito positiva”, completa. 

A produtora destaca que a criatividade é a bola da vez. “Estamos vindo sim com novidades, uma delas será o São João do Ceará, que historicamente acontecia no Aterro da Praia de Iracema, e esse ano teremos inovação no formato, que será online, com muita interação, mais dias de festa e uma programação que vai levar entretenimento, cultura e alegria a todos nesse mês junino”, anuncia Rainarah.

Eventos sociais são celebrados com maior aconchego, privacidade e capricho

Imagina só pensar em uma solução rápida para o aniversário do filho, logo após o decreto governamental de isolamento social, que fosse ao mesmo tempo segura para todos e lúdica para celebrar a vida de uma criança?  Esse foi o desafio de Juliana Melo, que é idealizadora e realizadora de eventos infantis e estudante do segundo semestre do curso tecnológico em Eventos da Universidade de Fortaleza.  

O desafio particular foi o pontapé inicial para recriar em formato mais intimista, seguro e parcialmente virtual todos os eventos já marcados na sua agenda profissional. “Hoje atendemos famílias que desejam celebrar a vida em seu núcleo familiar, com festas práticas, sustentáveis e personalizadas. Por conta da demanda, comecei a trabalhar também com festas para adultos e datas comemorativas, como o dia das mães”, conta. 

Ao se reinventar enquanto “realizadora de sonhos”, Juliana ajuda a resgatar o formato “homemade parties” (festas feitas em casa). “É hora de viver e celebrar com maior aconchego, privacidade e capricho, onde pais e filhos podem idealizar o que quiserem. E nós profissionais criamos o cenário para que fique uma lembrança afetiva, assessoramos no processo de planejamento, contratamos serviços adicionais e indicamos plataformas de vídeo para facilitar a participação virtual dos familiares que estão distantes”, reforça. 

Plano de retomada dos eventos presenciais após a pandemia 

A união do setor foi decisiva para que o segmento fosse contemplado na Medida Provisória 963 editada pelo Governo Federal, que prevê liberação de crédito extraordinário no valor de R$ 5 bilhões para as empresas de viagens e turismo. Vem também sendo importante para a elaboração do planejamento de retomada das atividades presenciais após a pandemia aqui no Ceará. 

A Câmara Setorial de Turismo e Eventos, o Fortaleza Convention & Visitors Bureau e as associações de classe locais, como Sindeventos, Abeoc e União das Montadoras de Eventos do Ceará, criaram protocolo de biossegurança para as atividades presenciais. O documento, baseado na experiência de outros países, prevê as particularidades locais. 

Mesmo com os protocolos, a professora Milena Auip aponta a necessidade também de resgatar a confiança das pessoas em estarem em lugares com outras pessoas. “Já se fala em criar selos de biossegurança e, assim, dar mais credibilidade ao evento ou ao equipamento, e mais confiança ao participante. Também precisamos focar na inovação para que tenhamos engajamento dos participantes a partir de ferramentas virtuais, fortalecendo os eventos híbridos”, reforça.