angle-left Maternidade e vida acadêmica: é possível conciliar durante a quarentena?

Qui, 7 Maio 2020 10:03

Maternidade e vida acadêmica: é possível conciliar durante a quarentena?

Confira o relato de mulheres que equilibram suas rotinas de estudo com as atividades maternas durante o isolamento social


Professora Rafaela Ponte Lisboa e sua filha Maria Victória, de um ano e cinco meses (Foto: Arquivo pessoal)
Professora Rafaela Ponte Lisboa e sua filha Maria Victória, de um ano e cinco meses (Foto: Arquivo pessoal)

Se dedicar à maternidade não é das tarefas mais fáceis. Entretanto, adicionar os estudos à ocupação de ser mãe é um movimento desafiador. Muitas alunas e professoras da Universidade de Fortaleza, da Fundação Edson Queiroz, passam por este cruzamento de experiências que agora pede um esforço a mais por conta do isolamento social.

Apesar dos adversidades, Rafaela Ponte Lisboa, professora do Centro de Ciências Tecnológicas, afirma que está sendo possível conciliar a maternidade com as obrigações acadêmicas agora em home office. Mãe da Maria Victória, de 1 ano e 5 meses, Rafaela conta que o apoio de seus pais está sendo essencial para esse sucesso. "Quando eu preciso dar aula, a Maria Victória fica com meus pais e eu fico trancada dentro do quarto. De vez em quando eu escuto, [barulhos de bebê ao fundo] como dá pra escutar agora, ela chamar, pedir para estar perto”, pontua ela.

A professora que revela que tem alguns alunos que são pais e estão relatando a dificuldade de ter um espaço em casa para poder assistir às aula e realizar as atividades sem que os filhos cheguem pedindo para brincar. “Para alguns tem sido bem difícil. Com muita disciplina e organização alguns têm conseguido lidar com isso com bastante tranquilidade. Mas realmente é um processo muito difícil de adaptação e gestão”, ressalta Rafaela.

Maria Helena Rodrigues, aluna do curso de Odontologia, conta que a maior dificuldade que ela sentiu foi a falta de tempo livre dentro dessa nova rotina na quarentena. Mãe do Bernardo e do Heitor, gêmeos de 11 meses de idade, a estudante ri e diz que não tem mais tempo para nada, mas que tenta priorizar o que é essencial como a Universidade, as consultas, os exames etc. “Mas depois deles [gêmeos] eu me senti bem mais motivada, principalmente na graduação. Hoje tenho mais força de vontade de correr atrás do que é meu”, complementa ela.

Apesar das dificuldades, como fazer menos disciplinas por semestre e atrasar um pouco a conclusão do curso, Maria Helena afirma que está sendo possível, sim, conciliar a maternidade com a vida acadêmica graças às pessoas que dão o suporte necessário para que ela alcance seu objetivo. “Na minha opinião, ter uma boa rede de apoio é essencial para todas as mães”, explica a estudante.

“Mesmo longe da faculdade com essa pandemia, eu faço o possível para não esquecer dos meus estudos. Além de mãe, eu sou estudante e futura dentista, e isso é algo que eu não posso esquecer”, ressalta a mãe dos gêmeos. Ela complementa com a ideia de que, para ser uma boa profissional, é preciso se manter constantemente atualizada sobre a área. "Buscar o conhecimento é algo que não devemos nos cansar de fazer”, conclui.

 

Aurélia Serpa é estudante do curso de Psicologia e mãe da Maria Teresa, 4 anos. A aluna conta que passa o dia com a filha, trabalhando com ela o método Montessori de Pedagogia. “A criança exige algo todo dia do adulto, todo dia temos que que aprender e ensinar. Isso, sim, é o certo”, afirma ela. Ela mostra que essa dedicação vem de sua inspiração que tem na maternidade: “Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Dá sentido à vida, dá sentido para lutar todo dia”.

Depois da rotina diurna com a filha é que Aurélia se prepara para começar seu próprio momento de acadêmico durante a madrugada. “Quando ela [Maria Teresa] dorme é que eu olho para os estudos ou alguma coisa da casa que não concluí durante o dia”, pontua a estudante. 

Acho que estamos sempre estudando, mesmo quando não estamos dentro de uma instituição de ensino”, reflete a estudante. “Saber lidar com as pessoas, saber fazer comida, saber se cuidar. É um aprendizado diário. Todo dia buscamos melhorar em algo em nós e naqueles que amamos”, finaliza.