angle-left DPDI realizou palestra sobre Inovação na Preparação de Dados para uso em I.A

Ter, 11 Dezembro 2018 16:46

DPDI realizou palestra sobre Inovação na Preparação de Dados para uso em I.A

O palestrante Paulo Pinheiro, pesquisador e cientista de dados, destaca o uso de máquinas para facilitar o processo de preparação de dados


Paulo Pinheiro, pesquisador e cientista de dados. Foto: Ares Soares.
Paulo Pinheiro, pesquisador e cientista de dados. Foto: Ares Soares.

A Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (DPDI) da Unifor realizou, no dia 14 de novembro, uma palestra com o foco em inovação na preparação de dados, onde o objetivo foi debater ideias de inovação.

Paulo Pinheiro, cientista de dados e engenheiro de software do Rensselaer Polytechnic Institute (RPI/NY), comandou a palestra, e falou sobre a importância que os dados passaram a ter para as empresas. “Eles notaram que os dados possuem grande valor para as operações da empresa. Então, inovando na análise de dados, as operações da empresa serão feitas de forma mais eficiente, melhorando os rendimentos, otimizando rotinas e principalmente, os custos irão diminuir”.

Paulo comentou que várias empresas no exterior estão investindo em contratar pessoas para fazerem a análise desses dados. Porém, ele conta que a verdadeira questão, não é a análise dos dados, e sim a preparação dos dados para análise, processo na maior parte do tempo monótono e demorado. Daí a ideia de usar uma máquina para executar esse processo. “Usar inteligência artificial propriamente dita, é colocar a máquina pra fazer essa tarefa chata em vez de pessoas, para a gente melhorar e tornar a tarefa automatizada em vez de ser uma tarefa manual como temos hoje”, destaca.

Paulo Pinheiro comenta que atualmente, colabora com o projeto Big Data Ceará, onde dados de todas as secretarias (Saúde, Educação, entre outras) do Estado do Ceará, coletados há anos, serão analisados por uma equipe de pesquisadores do Estado, da Unifor e de outras organizações.

Ele finalizou falando da importância de debater esse assunto dentro da Universidade de Fortaleza. “A questão que estamos desenvolvendo com a Unifor é a de reconhecer que existe um problema de preparação de dados, e a universidade já está saindo na frente de outras fazendo esse reconhecimento de cara. Se ela começar a investir nisso, desse investimento vão se formar pessoas com mais aptidões para o mercado, além de fazer uma contribuição à sociedade através de conhecimento comunitário”.