angle-left Menos30 Fest: professores debatem os impactos da tecnologia e inovação na educação

Qua, 27 Novembro 2019 08:47

Menos30 Fest: professores debatem os impactos da tecnologia e inovação na educação

Os professores explanaram as novas metodologias na educação, realizadas por instituições de ensino públicas e privadas


Os palestrantes debateram as novas metodologias tecnológicas introduzidas na educação e como torná-las harmônicas e eficazes para professores e alunos. Foto: Lia Beatriz (FotoNIC).
Os palestrantes debateram as novas metodologias tecnológicas introduzidas na educação e como torná-las harmônicas e eficazes para professores e alunos. Foto: Lia Beatriz (FotoNIC).

Educação, inovação e criatividade. São pilares que caracterizaram a palestra intitulada “Experiências Educacionais Inovadoras: como ganhar escala?”, parte da programação do evento Menos30 Fest, que aconteceu na Universidade de Fortaleza. 

Mediado pela jornalista Thaís Itaqui, da GloboNews, os palestrantes debateram as novas metodologias tecnológicas introduzidas na educação e como torná-las harmônicas e eficazes para professores e alunos. Participaram do bate-papo, o professor Davi Rocha, gestor da VIBE, célula de inovação em comunicação do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade de Fortaleza, Aldineide Queiroz, gestora da Escola Técnica Estadual Cícero Dias - NAVE Recife e André Cardoso, professor e fundador da Startup Robótica Sustentável.

Davi Rocha, destacou que a relação próxima com os alunos foi o que o motivou a inovar na Universidade. “Senti falta de uma célula que abordasse inovação, por isso criamos a VIBE, que tem como principal função pensar na comunicação como um todo e agir com inovação”, completou o professor.

Além disso, Davi ressaltou que para amplificar a inovação na educação, é necessário incentivar o conhecimento através de novas metodologias que abordem essas questões. Precisamos motivar os alunos, trazer para a sala de aula vivências empreendedoras. É essencial a existência de instituições, como a Universidade de Fortaleza, que realizem projetos, e que trabalhem com os alunos não apenas como um ser pensante, mas que também saibam lidar com seus erros”, explanou Rocha.

A professora Aldineide Queiroz reforçou a importância da participação do aluno com a escola através de projetos. “Nossa escola já impactou mais de cinco mil jovens na capital pernambucana. Nós trabalhamos com a participação do aluno em projetos, que resulta em um produto final para ajudar a escola. O jovem participa diretamente com sugestões para a instituição, pois assim estimulamos o pensamento crítico. O incentivamos a buscar soluções inovadoras para os problemas que temos internamente na escola”, completou.

Já para André Cardoso, ensinar com empatia é essencial. Ao dissertar ao público sobre seu projeto de robótica, o professor afirmou que é possível realizar um projeto de qualidade sem gastos elevados. “Após o meu doutorado, atuei em escola pública, e busquei oferecer todo o conhecimento aos alunos. Transformei uma sala em um laboratório de ciência, e começamos a trabalhar com resíduos, como tampas de garrafas pet. Percebemos que viver a ciência era o que fazia diferença. Desta forma, transformamos a escola em um ponto de reciclagem. O protagonismo infantil é transformador, a prática liberta aprendizado. É um projeto sustentável e tecnológico, simultaneamente”, enfatizou Cardoso.

Saiba mais sobre o evento Menos30 Fest

Com cinco edições em São Paulo, e pela segunda vez em Fortaleza, o Menos30 Fest é o festival de cultura empreendedora e inovação promovido pela Globo. Com o tema “Como se Faz um Futuro?”,  nesta edição, o Menos30 Fest levou ao público debates, palestras, oficinas, mentorias e experimentações com o objetivo de explorar as múltiplas possibilidades trazidas pela revolução tecnológica, que influencia a forma como trabalhamos, produzimos  conhecimento e nos relacionamos. 

Durante o evento, realizado em parceria com a TV Verdes Mares e apoio da Universidade de Fortaleza, foram abordados temas como inteligência artificial, análise de dados, internet das coisas, jornada do consumidor, construção de produtos digitais e propósito de marca. A programação contou ainda com 12 oficinas práticas sobre design thinking, marketing digital, programação, empreendedorismo social e plano de negócios.