angle-left Exposição “Da Terra Brasilis à Aldeia Global”, da Fundação Edson Queiroz, ganha trilha sonora

Ter, 20 Novembro 2018 16:36

Exposição “Da Terra Brasilis à Aldeia Global”, da Fundação Edson Queiroz, ganha trilha sonora

No Spotify, a curadora Denise Mattar reuniu músicas para cada período histórico da exposição


o cantor cearense Ednardo, está entre as escolhas musicais que a curadora Denise Mattar fez para compor a playlist “Terra Brasilis”. Foto: Ares Soares.
o cantor cearense Ednardo, está entre as escolhas musicais que a curadora Denise Mattar fez para compor a playlist “Terra Brasilis”. Foto: Ares Soares.

“Pavão mysteriozo”, um dos hinos do movimento Massafeira, de autoria do cantor cearense Ednardo, está entre as escolhas musicais que a curadora Denise Mattar fez para compor a playlist “Terra Brasilis”, inspirada na exposição  “Da Terra Brasilis à Aldeia Global”, em cartaz até 24 de março de 2019, no Espaço Cultural Unifor. 

A seleção das músicas começou ainda no processo de curadoria, quando Denise realizou um amplo estudo sobre as obras da Fundação Edson Queiroz, reunindo material sonoro para guiar os mediadores por cada período histórico que compõe a exposição; uma verdadeira trilha sonora. “Quando elaborei a curadoria da exposição, fiz um amplo leque de material para estudo do período para os mediadores. Entre eles estava uma música para cada período. Dessa forma, a playlist estava pronta sem sabermos desde o começo da exposição”, comenta Denise Mattar. 

Ela explica quais critérios foram usados para a seleção. “Na verdade, são uma mescla da importância para cada época mas, naturalmente, permeada pelo meu gosto pessoal. Por exemplo, ‘Codinome Beija-flor’ é quase o hino de uma geração. Mas, quando vai ficando mais próximo, a gente perde um pouco essa referência e realmente fica mais pessoal”, afirma.

45 anos da Unifor

Em comemoração aos 45 anos da Universidade de Fortaleza (Unifor), a Fundação Edson Queiroz colocou em cartaz a exposição “Da Terra Brasilis à Aldeia Global”, aberta oficialmente em 20 de março de 2018. Com a curadoria de Denise Mattar, a mostra reúne 270 obras, abrangendo um arco temporal que se estende entre os séculos XVI e XXI. São trabalhos dos principais artistas do Brasil e também de estrangeiros que muito bem retrataram o País. 

A exposição toma como ponto de partida o livro Americae Tertia Pars, do livreiro belga Theodore de Bry. Publicado na Europa em 1592, a obra baseia-se em relatos de viagens realizadas por europeus no Brasil. De modo cronológico e didático, a mostra percorre todos os movimentos da arte brasileira, chegando por fim à contemporaneidade, com a apresentação de trabalhos de artistas como Vik Muniz e Adriana Varejão. Cada um desses períodos é contextualizado, evidenciando o reflexo que seus respectivos momentos histórico, político e social tiveram em sua concepção.

Subordinada durante séculos às correntes artísticas internacionais, a arte brasileira sempre viveu sob o constante processo de cópia e repetição, adaptação e transformação, conseguindo poucas vezes imprimir a sua produção um sabor nacional. Barroco, Academia, Modernismo, Abstracionismo, Concretismo, Nova Figuração, Conceitualismo, Transvanguarda e Neoexpressionismo foram se sucedendo de forma cada vez mais veloz. Essa dinâmica começou a se reverter no final da década de 1980, quando se abriu espaço para a internacionalização e a arte realizada aqui começou a se integrar ao circuito de arte mundial. 

Além de traçar esse roteiro com o exterior, Da Terra Brasilis à Aldeia Global aponta como a questão centro e periferia se repetiu internamente no Brasil, sempre privilegiando os centros econômicos. No início da colonização, até então situados nas regiões Norte e Nordeste, esses centros deslocaram-se para o Rio de Janeiro, em função da descoberta do ouro – até a absoluta predominância do eixo Rio-São Paulo.

“Alguns artistas significativos, por viverem fora dessa área, não chegaram a integrar o chamado circuito de arte. Outros alcançaram essa meta ao preço de sair de sua terra natal", aponta Denise Mattar. Neste contexto, a mostra destaca a produção de artistas cearenses de vários períodos. "A excepcionalidade da coleção da Fundação Edson Queiroz permite contar essa história, quase sem lacunas, pois seu acervo excede em qualidade e quantidade a de muitos museus do eixo Rio-São Paulo, acentuando sua importância dentro da discussão proposta”, pontua a curadora Denise Mattar.

Playlists 

No perfil da Unifor no Spotify é possível acessar mais três playlists com temáticas diferentes, com 30 músicas cada, que irão entoar os dias dos ouvintes. Confira:

“aPROVAdo” 

Contém músicas mais animadas e populares, conhecidas do público em geral. Pensada para ser ouvida a qualquer momento, reúne músicas de artistas internacionais, como Diplo, Demi Lovato e Dua Lipa, e nacionais, como Anitta. 

“Pra Estudar Tranquilo”

É destinada aos estudantes e oferece músicas mais relaxantes. A ideia é fornecer a possibilidade de estudar tranquilamente por meio da música. Possui faixas dos cantores Sébastien Tellier e Joey Pecoraro. 

“Feliz Cidade”

Ideal para ouvir enquanto pratica alguma atividade física que estimula a vida saudável ou contemplando a natureza em um piquenique. Pensada para todos os públicos, é uma playlist que pode ser ouvida na academia, durante uma caminhada no Campus Livre Unifor aos fins de semana, ou mesmo na praia. Quem gosta de músicas mais dançantes vai adorar ouvir Bruno Mars, Pabllo Vittar, Iza e muitos outros. 

Saiba como seguir a playlist da Unifor

Para ouvir as playlists no Spotify é necessário acessar a barra de pesquisa, no canto superior direito, clique no ícone da câmera. Pronto! Leia o barcode da playlist que deseja ouvir espalhados em cartazes por todo o campus Unifor, e siga o perfil e a playlist da Unifor no Spotify.

Serviço

Exposição: Da Terra Brasilis à Aldeia Global – Coleção Fundação Edson Queiroz
Local: Espaço Cultural Unifor
Período expositivo: de 20 de março de 2018 a 24 de março de 2019
Visitação: de terças a sextas-feiras, das 9h às 19h; sábados e domingos, das 10h às 18h
Mais informações: (85) 3477.3319
Acesso gratuito