angle-left Por meio da arte, projeto estimula trocas de experiências emocionais e criativas em tempos de pandemia

Seg, 25 Maio 2020 13:36

Por meio da arte, projeto estimula trocas de experiências emocionais e criativas em tempos de pandemia

O EscutArte é uma iniciativa do Programa de Apoio Psicopedagógico (PAP) e das professoras do curso de Psicologia, Eliane Diógenes e Janara Pinheiro.


A professora e psicóloga Eliane Diógenes, docente dos cursos de Psicologia e de Cinema e Audiovisual da Unifor, é uma das responsáveis pelo projeto EscutArte. (Foto: divulgação)
A professora e psicóloga Eliane Diógenes, docente dos cursos de Psicologia e de Cinema e Audiovisual da Unifor, é uma das responsáveis pelo projeto EscutArte. (Foto: divulgação)

A arte provoca sensações, emoções, memórias, sonhos, desejos. A arte provoca vida. Assim é definida a importância da arte em nossa existência, segundo a professora e psicóloga Eliane Diógenes, uma das responsáveis pelo projeto EscutArte. Em parceria com o Programa de Apoio Psicopedagógico (PAP), da Universidade de Fortaleza, da Fundação Edson Queiroz, e também com a professora e psicóloga Janara Pinheiro. O EscutArte objetiva proporcionar um espaço de troca de experiências emocionais e criatividade. 

A iniciativa em desenvolver o projeto foi impulsionada pelo momento atual de isolamento social, ocasionado pelo novo coronavírus. “Objetivamos com esse grupo atender a uma demanda de fala dos alunos da Universidade de Fortaleza, que, nesses tempos de confinamento, estão mergulhados em muitas incertezas e desafios. Há uma demanda de as pessoas falarem sobre suas angústias diante da finitude da vida, diante da ameaça da perda ou da perda de pessoas queridas, diante da dissolução de alguns sonhos e desejos. Porém, em vez da paralisia, da inércia, notamos um movimento interessante de muitas pessoas, um movimento de criar, escrever textos íntimos, cantar, ler poesia, assistir filmes, escutar mais música, ou seja, um movimento de chegar mais perto da arte”, salienta a professora Eliane Diógenes, docente dos cursos de Psicologia e de Cinema e Audiovisual da Unifor

O projeto proporciona espaço aberto para escutar, acolher diversas nuances das experiências de vida dos alunos nos tempos de pandemia, por meio da arte. Segundo Eliane, a escolha em trabalhar com a arte é por acreditar na arte como uma potência para o sujeito abordar de maneira mais fluida suas questões íntimas. “Fiz mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), analisando a potência da arte na subjetividade. A arte provoca o sujeito de tal forma, que ele, sem ter controle, se depara com uma enxurrada de sensações, emoções, memórias, sonhos, desejos, coisas entranhas do seu psiquismo. Portanto, pretendemos trabalhar com música, fotografia, teatro, cinema, pintura, escultura, literatura. Além de nós colocarmos arte na dinâmica de grupo, convidaremos os integrantes a compartilhar suas próprias criações artísticas, suas poesias, suas fotografias (da sua casa, dos seus pais, o céu da sua janela), seus filmes domésticos...”, destaca.

Dentre as atividades, os integrantes podem ler seus escritos, cantar, tocar um instrumento ou exibir suas fotografias, seus filmes domésticos. “Faremos uma dinâmica para eles na hora experimentarem a criação e a atuação numa peça de teatro. Eles inventarão os personagens, as falas, os gestos, as vozes. O enredo: uma família em confinamento (sete semanas) está almoçando numa sala. Isso tudo num espaço virtual. Pela recepção ou criação da arte, o sujeito pode fazer uma série de elaborações de sua própria vida”, completa ela.

Os grupos serão mediados por estagiários supervisionados pelas professoras Eliane Diógenes e Janara Pinheiro. Cada grupo poderá ter quinze integrantes e os encontros acontecerão uma vez por semana num determinado horário.

Para participar do Projeto EscutArte

Inscrições no link  até 5 de junho.