angle-left III Workshop de Inteligência Urbana aconteceu em março na Unifor

Qua, 4 Abril 2018 09:45

III Workshop de Inteligência Urbana aconteceu em março na Unifor

A terceira edição do workshop contou com uma sessão de demonstração, comemorando o aniversário do Lapin


A Unifor, por meio da Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (DPDI), promoveu, no último dia 27 de março, a terceira edição do Workshop sobre Inteligência Urbana.

O evento aconteceu em comemoração ao aniversário de um ano do Laboratório de Pesquisa e Inovação em Cidades (Lapin), vinculado à DPDI, e serviu para divulgar os projetos realizados por alunos e professores da Unifor.

Entre os projetos já conhecidos, estavam os totens dos projetos @valie, Cidade 2000 e Você Faz Fortaleza. Já entre os projetos inéditos, um dos destaques foi o simulador de treinamento das máquinas Esmaltec. “O projeto tem um objetivo simples, porém bastante importante: facilitar o treinamento dos operadores das máquinas para evitar problemas, como erros de execução e de segurança, além de aperfeiçoar o uso das máquinas de forma geral”, explica Igor Rebouças, aluno de Mestrado de Informática Aplicada e que participa do grupo de Computação Gráfica do Lapin.

Outro projeto novo, chamado Campanhas de Segurança Viária, é feito em parceria com o curso de Cinema e Audiovisual. O projeto consiste em criar uma série de propagandas com problemas referentes ao trânsito como álcool, pessoas que dormem ao volante ou não prestam atenção porque estão no celular, usando realidade virtual.

“A gente vai fornecer o kit com os óculos para observar o cardboard (suporte de cabeça para celular) e o celular para vários postos de gasolina, ou seja, enquanto a pessoa está abastecendo o carro dela, ela vai assistir um vídeo. E, como ela já estará num ambiente de direção, acreditamos que isso vai trazer conscientização maior, por ser sensorialmente mais profundo”, explica David Facó, estudante do curso de Cinema e Audiovisual.

Já o projeto Code Dominó tem o objetivo de ensinar programação para crianças na faixa etária de 9 a 14 anos, explica Thais Araújo, aluna do terceiro semestre de Ciências da Computação e bolsista do Lapin. Ao lado do professor Daniel Chagas, Thais procura robôs ou outros objetos educacionais que já existe para que eles possam ter uma base e reproduzir algo parecido, mas sempre inovando: “a nossa proposta é que seja mais simples, mais prático e que professores de escolas possam ter acesso já que ele é de baixo custo, e os materiais podem ser encontrados facilmente no mercado”, frisa Thais, acrescentando que o robô Code Dominó pode contribuir para a interação e formação de alunos de ensino fundamental e médio.

Segundo o professor Daniel Valente, dos cursos de Ciências da Computação e Análise de Sistemas da Unifor e um dos coordenadores do Lapin, “o principal objetivo acadêmico do laboratório é estimular a interação entre os cursos da Unifor”. 

DPDI

A Inovação da Unifor é coordenada pela Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (DPDI) e se dá de diversas maneiras, que vão desde ao incentivo para que professores e alunos possam criar startups até a colaboração com empresas públicas e privadas para o desenvolvimento de produtos e serviços inovadores. Para tal, a Unifor possui em seu campus espaços de inovação, destacando-se o Parque Tecnológico da Universidade de Fortaleza (TEC Unifor) e a incubadora de empresas (Edetec).